Arquivo da categoria: video

Polícia Civil de Minas: não vota em Aecinico! Veja

Quem conhece não vota nele

Mais

cards-tucanos_1

 

8297f-tabelacorrupc3a7c3a3o

Covardia.Epocaestado Brasil arrebenta com os testa de ferro da Revista golpista Veja.

O Epocaestado não tem partidarismo.8297f-tabelacorrupc3a7c3a3o

cards-tucanos_1

 

Tracking dessa quarta-feira (22).DataCaf: 48 a 41. Aécio esta em queda livre .

cards-tucanos_1

 

aecio_inaugura

713f1-retrovisoe-aeciobebado

O tom de desânimo dos colunistas, já buscam argumentos para uma eventual derrota.Eleições 2014.

O fato é que estão todos de farol baixo.

:

O tom de desânimo dos colunistas, que já buscam argumentos para uma eventual derrota, é evidente e revela certa desconfiança dos quatro colunistas nas possibilidades eleitorais da oposição. Mas, talvez, estejam todos eles sendo precipitados. Afinal, o segundo turno ainda não aconteceu. Mas o fato é que estão todos de farol baixo.Foto 247

cards-tucanos_1

 

8297f-tabelacorrupc3a7c3a3o

0a42a-aecionevesincendiosexoemuitasujeiraaexplicar

 

“Quem acredita em pesquisas?”, questiona Lauro Jardim.

Revistas contrata testas de ferro para justificar porque Aécio destruiu Aécio. Sensus vira caso de policia.Alguém está cometendo um crime de estelionato, tentando iludir pessoas para obter vantagens eleitorais e pessoais.A Procuradoria Geral da República e o Tribunal Regional Eleitoral estão desafiados a agir.Ou tornarem-se cúmplices.Istoé e Época tem se aliados ao crime organizado para  divulgação de pesquisas criminosas.

0a42a-aecionevesincendiosexoemuitasujeiraaexplicar

Pesquisa Sensus é um caso de polícia. É a venda de resultados “no varejo”

11 de outubro de 2014 | 21:15 Autor: Fernando Brito

sensus

Não é mais uma expressão metafórica.

É caso de polícia, mesmo.

Porque se trata de bandidagem.

Fazem-se pesquisas fajutas com o único fim de exibi-las na televisão e induzir os eleitores.

É o caso deste resultado  divulgado pelo Sensus, na Istoé que, realizado basicamente nas mesmas datas do Ibope e do Datafolha, que registraram um empate estatístico entre Aécio Neves e Dilma Rousseff  (51 a 49% em votos  válidos), vem agora apontar uma suposta diferença de 17 pontos em favor do mineiro.

Isso não existe em estatística. Nem mesmo em roletas, exceto as viciadas.

E a “cobertura” da espertezas se faz com o expediente, aceito pela lei, de dizer depois da pesquisa quais os municípios pesquisados.

E a “malandragem”, tal como aconteceu na pesquisa da Época, é registrar a pesquisa como se fosse de iniciativa do próprio instituto e depois oferecer, no “varejo” a um órgão de comunicação os resultados.

Foi o que aconteceu com esta e vai acontecer, se a Justiça Eleitoral nada fizer, de dois em dois dias, porque mais uma já foi  registrada, dia 10, para divulgação no dia 15.

E, no meio do caminho, outra só em Minas, que certamente vai mostrar que o derrotado Aécio agora flutua, uma semana depois, como “redentor”.

Alguém está cometendo um crime de estelionato, tentando iludir pessoas para obter vantagens eleitorais e pessoais.

A Procuradoria Geral da República e o Tribunal Regional Eleitoral estão desafiados a agir.

Ou tornarem-se cúmplices.

Combater a impunidade, doa a quem doer, é marca do governo Dilma. O governo do PT aposentou o Engavetador Geral da República, investiu na Polícia Federal – aumentando seu orçamento de R$ 1,8 bilhão para R$ 4,7 bilhões -, criou o Portal da Transparência e a  Controladoria-Geral da União. Pois é, mas não foi sempre que o Brasil teve essa política permanente de combate à corrupção(link is external). A marca da gestão tucana é a impunidade. Os envolvidos com o caso Sivam, com a compra de votos para a reeleição de FHC, com a Pasta Rosa,com o mensalão tucano mineiro, com os escândalos dos metrôs e trens em São Paulo estão TODOS SOLTOS(link is external).

Somente no governo de FHC, foram arquivadas 217 investigações e engavetadas outras 242, envolvendo 194 deputados, 33 senadores, 11 Ministros e 4 contra o próprio FHC. Como as ações eram engavetadas, acabavam prescrevendo. Por sinal, o Ministério Público, concluiu, em 2003, que não poderia indiciar Armínio Fraga(link is external) – o homem de confiança de Aécio Neves – em uma ação de improbidade, porque a punição já estava prescrita.

Lembra quantos casos de corrupção(link is external) nós vimos passar impunes nos governos do PSDB?

O escândalo da Pasta Rosa, esquema com base no caixa 2 que envolvia, entre outros, José Serra e Antônio Carlos Magalhães, foi engavetado por Geraldo Brindeiro, o engavetador-geral da República. O mensalão tucano desviou dinheiro público, durante a campanha de eleição de Eduardo Azeredo, um dos fundadores do PSDB, e também terminou com todos soltos. Já o trensalão envolveu o pagamento de propina a integrantes do governo de São Paulo e ao PSDB pelo grupo francês Alstom. Com as provas bem escondidas, as autoridades suíças tiveram dificuldade em investigar. Teve ainda o escândalo da compra de votos para a reeleição de FHC e o caso Sivam, lembra?m Pois é, os envolvidos também estão impunes.

Essa é a diferença: enquanto eles varrem para baixo do tapete, Dilma combate a impunidade e apresenta propostas concretas(link is external) para intensificar o combate.

A demagogia sórdida de Aécio bate recordes: ele ainda reclama .

Aécio trata mal as mulheres.

Pobres rejeitam
Aéciofômetro

aecio_inaugura

Aécio venceu Aécio.Eleições 2014.217 investigações arquivadas e 242 engavetadas: a marca da impunidade no governo PSDB.

DILMA TEM 46% E AÉCIO 43%

:

O instituto Datafolha divulgou, nesta segunda (20), mais uma pesquisa sobre a sucessão presidencial; agora, a presidente Dilma Rousseff tem 46% contra 43% do tucano Aécio Neves; no levantamento anterior, o quadro era de empate técnico: Aécio tinha 45% e Dilma 43%; também divulgada hoje, a pesquisa CNT/MDA mostrou Dilma com 45,5% e Aécio com 44,5%; no Datafolha, aprovação ao governo subiu para 42%; convicção do voto em Dilma também é maior do que a certeza dos que votam em Aécio (45% a 41%); rejeição ao tucano (40% não votam nele) supera a da petista (39%); em votos válidos, Dilma abriu quatro pontos: 52% a 48%.

Mais

217 investigações arquivadas e 242 engavetadas: a marca da impunidade no governo FHC

Combater a impunidade, doa a quem doer, é marca do governo Dilma. O governo do PT aposentou o Engavetador Geral da República, investiu na Polícia Federal – aumentando seu orçamento de R$ 1,8 bilhão para R$ 4,7 bilhões -, criou o Portal da Transparência e a  Controladoria-Geral da União. Pois é, mas não foi sempre que o Brasil teve essa política permanente de combate à corrupção(link is external). A marca da gestão tucana é a impunidade. Os envolvidos com o caso Sivam, com a compra de votos para a reeleição de FHC, com a Pasta Rosa,com o mensalão tucano mineiro, com os escândalos dos metrôs e trens em São Paulo estão TODOS SOLTOS(link is external).

Somente no governo de FHC, foram arquivadas 217 investigações e engavetadas outras 242, envolvendo 194 deputados, 33 senadores, 11 Ministros e 4 contra o próprio FHC. Como as ações eram engavetadas, acabavam prescrevendo. Por sinal, o Ministério Público, concluiu, em 2003, que não poderia indiciar Armínio Fraga(link is external) – o homem de confiança de Aécio Neves – em uma ação de improbidade, porque a punição já estava prescrita.

Lembra quantos casos de corrupção(link is external) nós vimos passar impunes nos governos do PSDB?

O escândalo da Pasta Rosa, esquema com base no caixa 2 que envolvia, entre outros, José Serra e Antônio Carlos Magalhães, foi engavetado por Geraldo Brindeiro, o engavetador-geral da República. O mensalão tucano desviou dinheiro público, durante a campanha de eleição de Eduardo Azeredo, um dos fundadores do PSDB, e também terminou com todos soltos. Já o trensalão envolveu o pagamento de propina a integrantes do governo de São Paulo e ao PSDB pelo grupo francês Alstom. Com as provas bem escondidas, as autoridades suíças tiveram dificuldade em investigar. Teve ainda o escândalo da compra de votos para a reeleição de FHC e o caso Sivam, lembra?m Pois é, os envolvidos também estão impunes.

Essa é a diferença: enquanto eles varrem para baixo do tapete, Dilma combate a impunidade e apresenta propostas concretas(link is external) para intensificar o combate.

Caso de Policia. Ministério Público pede o ressarcimento de outros R$ 4,3 bilhões que deveriam ter sido investidos na saúde entre 2003 e 2008.Terra Brasil