Tracking DataCaf. DILMA 49 A 40.Veja vira cúmplice de bandido.

Chamar  Veja de revistá é subestimar  a inteligencia  humana.

“Os resultados de domingo dirão se a história subversiva de amor e política de Dilma continuará a inspirar o resto de nós a acreditar que um outro mundo é de fato possível”. A frase não é nossa, é doThe Guardian(link is external), mais renomado jornal da Inglaterra e um dos mais respeitados do mundo. Em matéria publicada nesta quinta, o periódico traz uma análise dos dois candidatos à presidência, algumas linhas sobre suas biografias e uma avaliação do que tende a acontecer no cenário internacional caso um ou outro vença.

O The Guardian lembra que após o golpe de estado no Chile, os latino-americanos foram relegados a esquecer seus sonhos heroicos e reduzirem-se a seu papel banal de provedores de matérias-primas ao mundo globalizado. “Por um tempo eles o fizeram, mas após a eleição de Lula e o Partido dos Trabalhadores no Brasil, parece que o tempo dos heróis voltou e as pessoas puderam novamente demandar o impossível”, completa.

O Brasil tornou-se o lugar da esperança. Nem sempre foi assim, lembra o jornal. A ditadura assolou o país por muitos anos e quem estava lá? “Uma jovem mulher chamada Dilma Rousseff. Sua história se tornou uma lenda”. Sempre ao lado dos trabalhadores, defendendo sua posição frente aos colegas homens, Dilma lutou e chegou aonde chegou. “Como liderança do PT, presidiu  o Bolsa Família, programa de bem-estar social, que tirou dezenas de milhões da pobreza”.

O outro candidato,  destaca o jornal, Aécio Neves, também nascido em Minas Gerais, mas “diferentemente dela, de uma família bem próxima do poder”, já que “seu pai apoiara a ditadura”. Aécio é, para a analista Sonia Fleury, entrevistada pelo jornal, a opção dos poderosos financistas e industriais, que querem o corte dos gastos públicos e a redução do Estado. Interessa ainda aos norte-americanos e àqueles que desejam “ver a superpotência do sul retornar ao rebanho de seu antigo mestre do norte”.

Basicamente, resume o jornal, para a geopolítica internacional, domingo decidirá se o Brasil vai continuar liderando a América Latina rumo a mais autonomia, sem acreditar no conto de fadas da austeridade que ainda reina no Ocidente apesar de sua evidente falência, ou vai voltar ao seu papel dos anos 1970, de cliente dos Estados Unidos no hemisfério sul.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s