O ‘fatiamento’ da Lava Jato é o começo do fim de Moro como heroi da direita. Por Kiko Nogueira.DCM

#Xatiado
Kiko Nogueira

O “fatiamento” da Lava Jato está resultando num chororô sem fim da direita brasileira, enquanto os protagonistas da operação vêem seu status de heróis da pátria ameaçados.
A decisão do Supremo, por 8 votos a 2, deu-se por causa do possível envolvimento de Gleise Hoffmann numa fraude no Ministério do Planejamento.

O ministro Teori Zavascki, responsável pela Lava Jato no STF, afirmou que só poderia se manifestar nos casos diretamente ligados ao escândalo da Petrobras, origem das investigações — foi em Curitiba que tudo começou, com o doleiro Alberto Youssef. Sergio moro é o titular da 13.ª Vara Criminal da Justiça Federal da capital paranaense.

No almoço-debate em que deu uma palestra — organizado pelo pré-candidato à prefeitura paulistana pelo PSDB, João Doria Jr —, Moro evitou comentar o parecer, mas disse temer que a Lava Jato “caia no esquecimento”.

Ora, por que cairia? Se Moro tem fé nas instituições, isso não deveria causar preocupação. Se não tem, o problema é mais grave.

Sua força-tarefa foi mais vocal. Em Nova York, onde participa de uma premiação chamada Global Investigations Review (GIR) com mais dois colegas (quem pagou a conta?), Deltan Dallagnol foi explícito.

“Nós discordamos tecnicamente dessa notícia. Nós estamos convictos de que a competência nesse caso era nossa, nós pretendemos nos próximos casos deixar isso mais claro” afirmou. “Mas devemos ser flexíveis e nos adaptar e continuar lutando, nos reerguer e continuar contribuindo junto com outros juízes para construir um país mais justo, com menos corrupção e menos impunidade”.

Dallagnol, para refrescar sua memória, é aquele procurador que fez uma peroração sobre a corrupção numa igreja batista no Rio de Janeiro. Na ocasião, mandou ver: “Dentro da minha cosmovisão cristã, eu acredito que existe uma janela de oportunidade que Deus está dando para mudanças”.

O pessoal que vinha incensando a turma de Sergio Moro não tem coração. Joaquim Barbosa, o menino pobre que mudou o Brasil (rs), é uma lembrança dolorosa. O “Batman” do mensalão hoje é acossado nas redes sociais por seus antigos admiradores.

Sabe-se lá o que está engendrado na cosmovisão de Dallagnol, mas o receio que ele e o chefe têm é de que, a partir de agora, sumam os holofotes.

Menos congressos, menos matérias laudatórias, menos viagens, menos entrevistas, menos cachês, menos premiações de homens do ano etc. Sobra um choro antidemocrático.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s