Satélite da Telebrás opera para a estratégia militar dos EUA!

Sem Título-1.jpg

Que a comunicação via satélite é fundamental na defesa da soberania nacional, é de conhecimento até do mundo mineral, como diria o Mino Carta.

Países sérios tratam essa indústria como prioridade porque sabem o peso que ela tem sobre campos dos mais diversos – da democratização do acesso à banda larga até o desenvolvimento de ações militares de altíssimo risco.

No Brasil, várias empresas estrangeiras já metem o bedelho na indústria de comunicação via satélite: Hispasat, Telesat Canada Yasat, Star One e Hughes.

E, recentemente, como o amigo navegante sabe, esse governo de canalhas e canalhas decidiu, com protagonismo do Ministro (sic) Gilberto Kassab, o Kibe, entregar o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) à norte-americana Viasat.

Ou seja, os americanos vão usar 100% da capacidade em banda ka de um satélite que foi construído justamente para escapar da espionagem… dos americanos!

Para, teoricamente (teoricamente, como sustenta a TV Afiada), levar internet banda larga a áreas rurais.

Na prática, a Viasat vai operar comercialmente no Brasil – para cuidar, inclusive das comunicações do Governo (sic).

Isso, claro, vai parar  na Justiça.

Mas, até lá, é provável que os militares brasileiros passem a se comunicar em inglês, via satélite brasileiro.

Afinal, isso já facilita o trabalho de escuta dos americanos, não é isso, amigo navegante?

Apenas para comparação, o Conversa Afiada faz questão de oferecer a tradução de importante reportagem que o site Satellite Today publicou na quinta-feira, 22/III, em que se mostra como os norte-americanos encaram a comunicação via satélite:

NDAA: Um longo adiante para um Satcom mais forte e unificado

Com a recente assinatura, por parte do Presidente, da Lei de Autorização à Defesa Nacional (NDAA, na sigla em inglês) para o ano fiscal de 2018, o governo dos Estados Unidos dá um grande passo rumo ao reconhecimento da importância da resiliência espacial e de uma consistente e consolidada liderança estratégica no espaço. O potencial impacto disso não pode ser exagerado.

A NDAA serve como uma resposta legislativa para a urgente necessidade de que usuários militares tenham pronto acesso a comunicação via satélite (satcom) resiliente, robusta e segura. Com o ambiente espacial crescendo cada vez mais contestado e operacionalmente desafiado, a NDAA fornece uma estrutura para uma crucial reorganização e consolidação das capacidades espaciais – e marca o primeiro passo nessa direção.

No momento em que o Legislativo e o Executivo avançam na implementação da lei, há três grandes áreas para observar:

CONSOLIDAÇÃO DA COMUNICAÇÃO VIA SATÉLITE

Em meio às principais provisões da NDAA para o ano fiscal de 2018, em termos de programas de segurança nacional no espaço, estão mudanças na organização e na gestão espacial. A NDAA exige que o vice-Secretário de Defesa desenvolva um plano independente para estabelecer um departamento militar separado e responsável pelas atividades espaciais de segurança do Departamento de Defesa até 31 de dezembro de 2018. Esse é um claro reconhecimento de que a comunicação via satélite aparece como uma área que requer foco e energia em níveis extremamente altos. Um escritório único do Departamento de Defesa supervisionará todas as atividades espaciais do País, reivindicando a propriedade das aquisições, políticas e práticas, que abordarão questões-chave como a necessidade de elevar as capacidades de comunicação via satélite, garantindo um ambiente especial mais protegido.

CAPACIDADES DE SATCOM EXPANDIDAS

Sob a NDAA, a comunicação via satélite vai “ganhar destaque” em novas e atraentes formas. Tudo isso vai começar com o comandante do Comando Espeacial da Força Aérea (AFSPC) e comandante do Componente Espacial da Força Conjunta, General John W. Raymond.

O General Raymond terá um mandato de pelo menos seis anos, como única autoridade para organizar, treinar, equipar e manter o espaço e o cyber-espaço prontos para missões do Comando Aeroespacial dos Estados Unidos, do Comando Estratégico dos Estados Unidos e de outros comando ao redor do mundo.

Isso mostra um movimento ainda mais profundo em direção à consolidação da autoridade, ao mesmo tempo em que especifica que o comsatcom (comunicação comercial via satélite) é um fator chave no modelo de aquisição do espaço por parte do governo. Pela primeira vez, o comsatcom vai “se sentar” logo ao lado da comunicação militar  via satélite (milsatcom), uma transição que possibilitará ao Departamento de Defesa ter a vantagem de uma abordagem totalmente integrada à comunicação via satélite, conforme ela avança rumo a uma arquitetura unificada.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s