Arquivo da categoria: Real Times

UFC 187 – Vídeo da luta: Chris Weidman x Vitor Belfort.Nocaute técnico.Luta Completa

Vitor Belfort  sendo massacrado .Veja  o brasileiro que fala muito e não  luta absolutamente  nada.

IG.O brasileiro Vitor Belfort se deu mal ao ser nocauteado logo no primeiro round da luta contra o norte-americano Chris Weidman, detentor do cinturão dos pesos médios do UFC. A luta durou menos de três minutos. O “massacre” de Weidman acabou inspirando uma série de memes e piadas contra Belfort nas redes sociais.

O tamanho da derrota foi comparado ao 7 a 1 da seleção brasileira na Copa do Mundo do ano passado, quando o time da Alemanha impôs ao Brasil, em casa, o maior vexame de sua história no futebol.

A proibição ao tratamento hormonal TRT, usado anteriormente por Belfort, também foi lembrada pelos internautas como uma possível causa para uma derrota tão rápida do brasileiro.Memes - Belfort

IG

Record é condenada a produzir programas de religiões afro-brasileiras .

As emissoras de televisão Rede Record e Rede Mulher foram condenadas a produzir e exibir, cada uma, quatro programas de televisão, a título de direito de resposta às religiões de origem africana, em razão das ofensas proferidas contra elas em suas programações. Cada programa deverá ter a duração mínima de uma hora e as rés empregarão seus respectivos espaços físicos, equipamentos e pessoal técnico para produzi-los. A decisão é do juiz Djalma Moreira Gomes, da 25ª Vara Federal Cível em São Paulo/SP.

O Ministério Público Federal (MPF), o Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro-Brasileira (INTECAB) e o Centro de Estudos das Relações de Trabalho e da Desigualdade (CEERT) ajuizaram a ação civil pública contra as emissoras, alegando que as religiões afro-brasileiras vêm sofrendo constantes agressões em programas por elas veiculados, o que é vedado pela Constituição Federal, que proíbe a demonização de religiões por outras.

Djalma Gomes explica que um prestador de serviço de radiodifusão sonora e de sons e imagens é um “longa manus (executor de ordens) do Estado no desempenho dessa atividade, e como o próprio Estado deve se comportar no cumprimento das regras e princípios constitucionais legais”.

O juiz cita algumas passagens da Constituição Federal (CF) que tratam destes serviços que devem ser “prestados visando à consecução dos fins da República Federativa do Brasil, entre eles a promoção do bem de todos, sem preconceito de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação” e que o Estado deve garantir a todos “o pleno exercício dos direitos culturais, protegendo as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras” e “em caso de ofensa, é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo”.

“Os fatos imputados na inicial estão comprovados e são, ademais, incontroversos”, afirma o juiz, acrescentando que as emissoras sequer os negaram, apenas procuraram extrair a “conotação de ofensivos”, atribuída pelos autores.

O magistrado transcreve um trecho da liminar proferida na ação, pela juíza federal Marisa Cláudia Gonçalves Cucio, que mostrou relatos de pessoas que se converteram à Igreja Universal, mas antes eram adeptas às religiões afro-brasileiras, eram tratadas como “ex-bruxa”, “ex-mãe de encosto” e acusadas de terem servido aos “espíritos do mal”.

“Este tipo de mensagem desrespeitosa, com cunho de preconceito […] tem impacto poderoso sobre a população, principalmente a de baixa escolaridade, porque é acessada por centenas de milhares de pessoas que podem recebe-la como uma verdade”, explicou, na ocasião, Marisa Cucio.

Tanto a Rede Record quanto a Rede Mulher deverão exibir cada um dos quatro programas em duas oportunidades (totalizando oito exibições por emissora), em horários correspondentes àqueles em que foram exibidos os programas que praticaram as ofensas. Além disso, deverão realizar três chamadas aos telespectadores na véspera ou no próprio dia da exibição.

Processo n.º 2004.61.00.034549-6

Fonte: JFSP

Veja também: Macumbaria no mundo e a conivência da justiça.

o Crimes Satânicos – eles mataram em nome do diabo

Magia negra.Esse é o macumbeiro que cravou 50 agulhas em uma criança, em um ritual de magia negra.

 A impunidade por trás desses crimes e a brutalidade de tais atos.

Impera uma lei do silêncio quando se fala em rituais satânicos e desaparecimento de crianças no Brasil.Provas contra esses criminosos é o que não faltam. Esses Quatros jovens foram  mortos em “rituais satânicos”

Mais.

https://epocaestadobrasil.wordpress.com/2014/09/05/brasil-criancas-mortas-em-rituais-de-magia-negra-denuncia-2/

Capa da revista Época com o título: “Lula, o Operador … O Globo.

:

247 – Terminou de forma vergonhosa, para as Organizações Globo, em especial para a revista Época, o mais recente capítulo da cruzada empreendida pela família Marinho contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

EXCLUSIVO: a história da funcionária da Receita que sumiu com o processo de sonegação da Globo.Crime organizado confira.

Operação ,lava tudo. Atenção  Dr.Moro!!!!!!!!

“Abrir empresa em paraíso fiscal faz parte de um velho modus operandi da Globo”.

Por que a Globo escolheu as Ilhas Virgens para sediar uma empresa fantasma, segundo nosso enviado

Ponto Extra.Lula desmascara o jornalismo criminoso da Globo.Veja a bandidagem da Globo.247

Como o processo de sonegação da Globo sumiu da Receita e sobreviveu no submundo do crime.Pitágoras do Brasil

:

Extra. Lula abre fogo contra a mídia bandida e criminosa estabelecida ilegalmente no Brasil.Epocaestado

Veja também.Como a globo usa empresa de faixada para fraudar o fisco.

Protesto na frente da Globo

Mídia-bandida e os sonegadores do HSBC

Por Altamiro Borges

A descoberta de um esquema bilionário de corrupção do HSBC está agitando o mundo. É um dos maiores escândalos do sistema financeiro desde a eclosão das denúncias contra os bancos dos EUA nos anos 1990, que aceleraram a crise do capitalismo. No Brasil, porém, a mídia quase não trata deste assunto. Há várias explicações para esta omissão. A velha mídia está mais preocupada em destruir a Petrobras, na sua incansável campanha pela privatização da estatal, e atacar a presidenta Dilma. Além do fator ideológico e político, ela tem sólidos vínculos com os banqueiros – inclusive depende da sua farta publicidade. Mas podem existir outros motivos menos visíveis. Desde a eclosão do escândalo já se descobriu que o Grupo Clarín, da Argentina, desviou ilegalmente milhões de dólares para o exterior através das maracutaias do HSBC. Será que algum barão da mídia brasileira também está envolvido neste esquema de sonegação?

As primeiras denúncias contra o HSBC surgiram na semana passada. Alguns veículos da imprensa internacional divulgaram que o banco suíço “ajudou” os seus clientes ricos a desviarem bilhões de dólares devidos em impostos através da sua filial em Genebra. As denúncias foram feitas com base no acesso às contas de 106 mil ricaços, vazadas por um ex-funcionário do banco, Hervé Falciani, em 2007. O próprio HSBC já confessou o seu crime e agora é alvo de investigações nos EUA, França, Bélgica e Argentina. Elas confirmam que o banco não apenas fazia vista grossa à evasão de impostos, como também “ajudou ativamente” seus clientes a violarem a lei, enviando orientações por escrito sobre as formas de burlar os tributos.

Diante da gravidade dos vazamentos, obtidos primeiramente pelo jornal francês Le Monde, foi criado um Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ, na sigla em inglês) para apurar as denúncias. Ele é constituído pelo jornal The Guardian, a BBC britânica e mais de 45 veículos ao redor do mundo. O ICIJ já concluiu que o banco ajudou empresários, políticos e celebridades midiáticas a sonegarem impostos. Entre outros fatos assustadores, há indícios de que o esquema favoreceu “comerciantes de armas, assistentes de ditadores do Terceiro Mundo, traficantes de diamantes e outros delinquentes internacionais”. Do Brasil, cinco jornalistas integram o consórcio: Angelina Nunes, Amaury Ribeiro Jr., Fernando Rodrigues, Marcelo Soares e Claudio Tognolli.

Nesta terça-feira (10), uma revelação bombástica pode ter assustado os jornalistas investigativos. As apurações comprovaram que os donos do Grupo Clarín – um dos principais impérios midiáticos da América Latina – desviaram mais de US$ 100 milhões para o exterior através do esquema criminoso do HSBC. Dos 4.620 ricaços argentinos envolvidos nas denúncias de sonegação de impostos no país vizinho, os barões da mídia figuram entre os mais ousados – que acham que gozam de total impunidade. “O Grupo Clarín lidera a lista dos argentinos com fundos em Genebra não declarados na Administração Federal de Ingressos Públicos (AFIP)”, revelou a agência estatal de notícias. Será que algum barão da mídia brasileira também está envolvido no esquema criminoso? A Rede Globo, já acusada de sonegação de impostos, tem alguma culpa no cartório? Ela conhece as recomendações, por escrito, do HSBC?

Como aponta a jornalista Patrícia Faermann, do Jornal GGN, é muito estranho o silêncio da mídia brasileira sobre o escândalo da HSBC. “A lista dos nomes de mais de 100 mil correntistas da filial do HSBC em Genebra, que construiu uma indústria de lavagem de dinheiro, intermediada por empresas offshore como forma de fugir da fiscalização dos países de origem, está correndo pelo mundo. Aos poucos, as pessoas e entidades estão sendo reveladas. França, Espanha, Suíça, Dinamarca, Índia, Bélgica, Chile, Argentina e outros países divulgam reportagens detalhadas a cada dia, com novas informações. Menos o Brasil… O ICIJ formou um grupo menor de jornalistas para investigar os documentos do projeto denominado como ‘Swiss Leaks’. Participam todos os países do Consórcio. Do Brasil, Fernando Rodrigues, do UOL, é o único que tem em mãos as apurações dos clientes brasileiros”. Ela apimenta ainda mais suas suspeitas:

“Até o momento, as informações divulgadas pelo ex-repórter da Folha são de que os dados do HSBC indicam 5.549 contas bancárias secretas de brasileiros, entre pessoas físicas e jurídicas, em um saldo total de US$ 7 bilhões. Nenhum nome. Fernando Rodrigues explica que entrou em contato com as autoridades brasileiras para saber se há ilegalidade nessas operações bancárias, ou se os valores foram declarados à Receita. E estaria aguardando a resposta… Essa desculpa não bate com o histórico do jornalista. O fato de divulgar a existência da lista e segurar os nomes dá margem a toda sorte de interpretações”.

Horror. Lava Jato transforma ladrões confessos em heróis.Criminosos apanhados numa rede de evasão fiscal e lavagem de dinheiro são premiados com privilégios penais e até financeiros,.

Teori: Moro,
você foi longe demais!

 RUI: ‘LAVA JATO TRANSFORMA BANDIDOS EM HERÓIS’

STF solta
os empreiteiros

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/178872/Costa-confirma-que-pagou-propina-de-R$-10-mi-ao-PSDB.htm

STF DERRUBA A DELAÇÃO QUE VEJA QUIS IMPOR A UM RÉU

http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2015/04/29/tucanos-do-pr-tratam-professores-a-porrada/

 :

247.O presidente nacional do PT, Rui Falcão, divulgou uma longa carta após a reunião da Executiva Nacional em São Paulo, publicada neste sábado (18) pela Agência PT de Notícias, na qual ressalta a importância do partido para a história política e social do Brasil; ele afirma que “o PT e o governo tornaram-se alvos políticos da chamada Operação Lava-Jato”; Falcão acusa os responsáveis pelas investigações de “engajamento partidário” contra o PT e de “violência jurídica” semelhante à do julgamento da AP 470; “Criminosos apanhados numa rede de evasão fiscal e lavagem de dinheiro são premiados com privilégios penais e até financeiros, em troca de depoimentos que possam incriminar o PT e o governo”, diz; “A transformação de um processo em espetáculo de mídia, o constrangimento que se tenta impor ao direito de defesa, a abolição do princípio da presunção de inocência e as arbitrariedades cometidas constituem uma ameaça não ao PT, mas à consciência jurídica da Nação. Estamos assistindo ao nascimento de um estado de exceção dentro do estado de direito, e contra isso o PT lutará, ao lado das forças democráticas da sociedade”, avisa

O Brasil começa a questionar o juiz Sergio Moro.Imparcialidade da Justiça envergonha o Brasil.Folha do Brasil.

PML: PERTO DOS TESOUREIROS TUCANOS, VACCARI É SANTO

:

247.O juiz Sergio Moro, que se tornou uma personalidade nacional com a Operação Lava Jato, sofreu sua primeira derrota diante da opinião pública na tarde de ontem; reportagem do site da revista Exame apontou que a hashtag #ExplicaMoroPorqueSoPT foi o tema mais comentado do dia; fenômeno evidencia que, para boa parte da sociedade, o juiz paranaense cumpre uma agenda política, que protege o PSDB e visa destruir o PT; assim como o tesoureiro João Vaccari foi citado por delatores, o mesmo ocorreu com o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (PSDB-MG), mencionado pelo doleiro Alberto Youssef como dono de uma diretoria em Furnas que pagava propinas mensais de US$ 120 mil a políticos; Moro descobriu esquemas de Youssef na Petrobras, mas também na estatal mineira Cemig; nos dois casos, enxergou suspeitas, mas só no primeiro decidiu investigar; acusação de parcialidade já revela que o juiz está longe de ser unanimidade nacional.

Paraná 247 – O juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato, sofreu ontem sua primeira derrota diante da opinião pública. Segundo reportagem do portal da revista Exame, a hashtag #ExplicaMoroPorqueSoPT chegou ao primeiro lugar dos assuntos mais comentados do dia no Brasil.

Como uma das imagens da Justiça é a cegueira ao mundo exterior, para garantir sua imparcialidade, o carimbo de um juiz que cumpre uma agenda política não contribui para a imagem de herói nacional, construída por alguns meios de comunicação – em especial a Globo, que deu a ele o prêmio de Brasil que “faz diferença”.

Ontem, o jornalista Renato Rovai, que edita a revista Fórum, publicou um texto que se encaixa nesse contexto. “Livre de qualquer investigação, Aécio comemorou a prisão de Vaccari e começou a articular o impeachment de Dilma. E junto dele, com a mesma cara de pau, estava o presidente do DEM, Agripino Maia, acusado de receber R$ 1 milhão em propina”, disse ele no artigo ‘Vaccari e Aécio: dois citados na Lava Jato. Um é preso. O outro pede impeachment’.

As citação a Aécio não são menos graves do que as que atingem Vaccari. Segundo a Polícia Federal, o tesoureiro do PT foi preso porque, além das delações, foram encontrados “depósitos picados” de R$ 300 mil nas contas de seus familiares ao longo dos últimos anos.

Aécio foi citado pelo protagonista do enredo, o doleiro Alberto Youssef, como ‘dono’ de uma diretoria em Furnas, a de Dimas Toledo, que pagava um mensalão de US$ 120 mil a políticos durante o governo FHC (assista aqui o vídeo e leiareportagem do Tijolaço a respeito).

Ao se focar apenas no PT, cumprindo uma agenda que parece ter como objetivo a própria extinção do partido, como defende o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), Moro cria, nas palavras do jornalista Paulo Nogueira, editor do Diário do Centro do Mundo, a sensação de uma “justiça injusta”.

“Ele jamais deu à Lava Jato uma coloração apartidária, assim como Joaquim Barbosa e o STF, um pouco atrás, para o Mensalão. Mais uma vez, fica a sensação que o principal alvo não é exatamente a corrupção, mas o PT e o governo Dilma. E disso resulta a percepção, entre tantos brasileiros, de uma justiça injusta, simbolizada há algum tempo em JB e agora em Moro”, afirma Nogueira (leia mais aqui).

No início da Operação Lava Jato, Moro também flagrou operações de Youssef na Cemig. Mas afirmou que não iria investigar o caso porque não tinha conexão com a Petrobras – que também não era o foco inicial das investigações de Moro. No caso, a Investminas, do empresário Pedro Paulo Leoni Ramos, ex-ministro do governo Collor, teria pago uma propina de R$ 4,6 milhões à MO Consultoria, do doleiro Alberto Youssef, para vender alguns ativos à Light, empresa do Rio de Janeiro, controlada pela Cemig, estatal que é a joia da coroa mineira. Moro não tomou nenhuma providência relacionada ao caso – ao menos, até agora – porque, segundo ele próprio disse, não estaria relacionado aos desvios na Petrobras. Eis o que escreveu Moro:

A Investminas Participações S/A confirmou, em petição de 21/10/2014 (evento 18) pagamento de 4.600.000,00 (R$ 4.317.100,00 líquidos) à MO Consultoria. Alegou que remunerou conta indicada por Alberto Youssef em decorrência de intermediação e serviços especializados deste na venda de suas ações na Guanhães Energia S/A para a Light Energia S/A, com intervenção a CEMIG Geração e Transmissão S/A. Juntou como prova os contratos e notas fiscais pertinentes, todos com suspeita de terem sido produzidos fraudulentamente. Alegou que Alberto Youssef seria ’empresário que, à época, detinha conhecimento do setor elétrico e reconhecida expertise na área de assessoria comercial’. Aparentemente, trata-se de negócio que, embora suspeito, não estaria relacionado aos desvios na Petrobras.

Leia, abaixo, a reportagem da Exame sobre a presença de Moro no topo dos TTs do Twitter:

Da exame:

Um dia após a prisão de João Vaccari Neto, tesoureiro do PT até o fim da tarde de ontem, militantes do partido fazem tuitaço contra o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, que investiga o escândalo de corrupção na Petrobras.

A hashtag do ato #ExplicaMoroPorqueSoPT é a primeira na lista dos trending topics do Twitter na tarde desta quinta-feira. Os manifestantes questionam a imparcialidade da Justiça e reinvindicam a investigação de casos de corrupção que envolvem o PSDB.

Na decisão que ordenou a prisão de Vaccari, Moro refutou a ideia de que a responsabilidade pelo escândalo seja exclusiva do PT. “Não se trata aqui de prisão contra a agremiação partidária à qual ele (Vaccari) pertence. A corrupção não tem cores partidárias. Não é monopólio de agremiações políticas ou de governos específicos”, escreveu na decisão.

Aos 42 anos, Moro é um dos principais especialistas em lavagem de dinheiro no país. Discreto, tende a não revelar muitos detalhes da sua vida pessoal. A esposa dele seria assessora jurídica de Flávio José Arns (PSDB), vice-governador do estado do Paraná, de acordo com informações do blog Conversa Afiada.

Professor de Direito Processual Penal Universidade Federal do Paraná, Moro concluiu o Program of Instruction for Lawyers da Universidade de Harvard e é doutor em Direito pela UFPR.

Em reação ao protesto favorável ao Partido dos Trabalhadores, internautas contrários ao governo tuítam com a hashtag #SomosTodosMoro, que não aparece na lista dos trending topics da rede de microblog