Arquivo da categoria: Real Times

Crime organizado.Sindicatos de ladrões não tomaram o poder.Não vai ter golpe diz jornal.

O BRASIL VIROU UM MAR CONTRA O GOLPE.

O Brasil virou um mar contra o Golpe

Levante marca Golpismo na testa da Globo.

Levante marca Golpismo na testa da Globo

Mural em homenagem a Rede Globo em SP amanheceu pichado

Mídia apoia bandidismo no Congresso.Não vai ter Golpe .

:

Sindicatos de ladrões comandam o golpe.

‘Se a luta fosse contra a corrupção, Cunha não conduziria o processo’

‘Dilma tem mandato ameaçado por conspirata de corruptos’ diz jornal.

Em Brasília, 200 mil pessoas em defesa da democracia ocupam a Esplanada dos Ministérios, segundo estimativa dos Jornalistas Livres; no Rio de Janeiro, habitantes das comunidades desceram para um dos maiores bailes funk da história de Copacabana; em Salvador, a manifestação foi no Farol da Barra; em São Paulo, no Vale do Anhangabaú, com apoio de movimentos sociais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) e a Central de Movimentos Populares (CMP).

PESQUISA DATACAF MANTÉM PREVISÃO: NÃO VAI TER GOLPE.

Cunha perdeu a serventia.E a Justiça (sic) poderá encarcerá-lo.

Jornal desmente  o Portal Uol e a Globo. Golpe: É para dar o pré-sal aos americanos da Chevron.

PESQUISA DATACAF MANTÉM PREVISÃO: NÃO VAI TER GOLPE.Conversa Afiada.

mussolini

Mussolini (o segundo, a partir da esquerda) foi pendurado num posto de gasolina.

O DataCaf mantém a previsão: o Governo tem entre 190 e 200 votos.

E com isso não vai ter golpe!

Desde a última previsão, o movimento nas ruas só aumentou.

O povo sabe o que significa o Golpe, onde chega a Ponte para o Futuro do gatinho angorá dos militares, o Moreira Franco.

O povo sabe por que o Padim Pade Cerra quer o Golpe: para dar o pré-sal aos americanos da Chevron.

É a mesma Casa Grande de Vargas, JK e Jango.

Do mensalão e da Lava Jato.

É o desespero de quem não tem os votos.

São os mesmos torturadores da Dilma – na OBAN e na Câmara, hoje.

Os mesmos, a serviço dos mesmos – da elite!

O povo não é bobo, em várias instâncias.

A fuga de Brasília – prevista pelo senador Requião – desfalca mais os que querem o impeachment mas tem medo de se queimar, do que aqueles que não querem o impeachment mas tem medo de se queimar.

Além disso, quem tem que garantir o quórum são os Golpistas!

Sempre há um elemento a considerar: “o elemento humano”, como diz um informante doConversa Afiada.

E o “elemento humano” tanto pode ser a covardia como a insuspeitada coragem!

Há a considerar que na Historia Universal da Infâmia, esse talvez seja o pior Congresso da Historia do Brasil supostamente democrata.

O Congresso eleito com o dinheiro de um “bandido” – segundo o deputado Silvio Costa -, o Eduardo Cunha, que, segundo Costa, sabe que vai se afundar, mas quer levar “ela” junto.

É o Congresso do deslavado e lavado dinheiro das empresas, que o Gilmar (PSDB-MT)  tentou preservar.

Segunda-feira, Cunha perdeu a serventia.

E a Justiça (sic) poderá encarcerá-lo.

Com o Pauzinho do Dantas – pois, como se pergunta o deputado Silvio Costa: de que vive o Pauzinho?

As contas serão acertadas nessa noite de domingo.

Na Itália, penduraram Mussolini num posto de gasolina.

Na União Soviética, mataram toda a família do Imperador Nicolau II, depois de submete-la a comer casca de carvalho nos fundos de uma igreja, quando deixou o Palácio em São Petersburgo.

Na Alemanha Nazista, os próprios aliados jogaram Hitler e na Eva Braun numa vala e jogaram gasolina.

Aqui, como sempre, os métodos são mais suaves – somos cordiais, diria o Sergio Buarque de Holanda.

Como os do cordial Dr Moro, que persegue uma senhora de 94 anos, a mãe do José Dirceu, que não tem onde morar.

Aqui o sangue não jorra.

Ainda.

Porque o Golpe não passará.

Paulo Henrique Amorim

Conheça os bandidos que comandam o golpe de Estado no congresso.É bandido apoindo bandido.

Até  quando a justiça será conivente com as bandidagem de Eduardo Cunha.
Cunha recebeu propina de R$ 52 milhões em 36 parcelas, afirma delator diz site do Malafaia.

Cunha recebeu propina de R$ 52 milhões em 36 parcelas, afirma delator.

Segundo empreiteiro, empresas relacionadas às obras do Porto Maravilha, no Rio, deveriam pagar R$ 52 milhões ou 1,5% do valor total dos Certificados de Potencial de Área Construtiva (Cepac) a Eduardo Cunha

Em delação premiada à Procuradoria-Geral da República, na Operação Lava Jato, o empresário Ricardo Pernambuco Júnior, da Carioca Engenharia, entregou aos investigadores uma tabela que aponta 22 depósitos somando US$ 4.680.297,05 em propinas supostamente pagas ao presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) entre 10 de agosto de 2011 e 19 de setembro de 2014.

Segundo o empreiteiro, empresas relacionadas às obras do Porto Maravilha, no Rio, deveriam pagar R$ 52 milhões ou 1,5% do valor total dos Certificados de Potencial de Área Construtiva (Cepac) a Eduardo Cunha. A parte que caberia à Carioca era de R$ 13 milhões.

Leia também: Conselho de Ética: relator rejeita pedido de Cunha para barrar testemunhas de acusação

O maior repasse ocorreu em 26 de agosto de 2013 no valor de US$ 391 mil depositados em conta do peemedebista no banco suíço Julius Baer. Em 2011 foram quatro depósitos, somando US$ 1,12 milhão. Em 2012, Eduardo Cunha recebeu só dessa fonte outros US$ 1,34 milhão divididos em seis depósitos. A tabela revela que em 2013 o deputado – que ainda não exercia a presidência da Casa -, foi contemplado com mais seis depósitos, totalizando US$ 1,409 milhão. Já em 2014, Eduardo Cunha recebeu outros seis depósitos que somaram US$ 804 mil. A tabela com o caminho das propinas é dividida em duas partes.

“Em relação a primeira tabela, que totaliza US$ 3.984.297,05 tem certeza de que foram destinadas a contas apontadas pela deputado Eduardo Cunha; que em relação a segunda tabela, no valor total de US$ 696 mil, é altíssima a probabilidade de que também eram valores destinados a contas indicadas por Eduardo Cunha, por todo o trabalho investigativo que fizeram, em especial porque não fizeram pagamentos deste tipo a outras pessoas e, também, pelo valor das transferências”, afirmou o empresário.

“Em nenhum momento Eduardo Cunha lhe disse que as contas eram de titularidade dele, mas tem certeza de que todas estas contas foram indicadas pela deputado Eduardo Cunha; que tampouco o depoente chegou a perguntar a Eduardo Cunha sobre o titular das referidas contas.”

Em 14 páginas, o empresário Raul Pernambuco Júnior narra com detalhes encontro com o presidente da Câmara para combinar como seriam realizados pagamentos no exterior. Raul Pernambuco Júnior descreveu uma reunião no Hotel Sofitel, em Copacabana, no Rio, que, segundo ele, teria ocorrido entre junho e julho de 2011, época da aquisição das Cepac’s pelo Fundo de Investimento do FGTS.

“O depoente não estava presente, mas seu pai e um executivo da Carioca de nome Marcelo Macedo estiveram presentes a esta reunião; que após esta reunião, o depoente foi chamado pelo seu pai; que seu pai lhe comunicou que Léo Pinheiro, da OAS, e Benedicto Junior, da Odebrecht, na reunião do Hotel Sofitel, comunicaram que havia uma solicitação e um ‘compromisso’ com o deputado Eduardo Cunha, em razão da aquisição, pela FI-FGTS, da totalidade das CEPAC’s”, declarou.

O empreiteiro detalhou. “Que o valor destinado a Eduardo Cunha seria de 1,5% do valor total das Cepac’s, o que daria em tomo de R$ 52 milhões devidos pelo consórcio, sendo R$ 13 milhões a cota parte da Carioca; que este valor deveria ser pago a Eduardo Cunha em 36 parcelas mensais; que seu pai disse ao depoente que cada uma das empresas “assumiria” a sua parte diretamente com Eduardo Cunha.”

À Procuradoria, o delator contou que o primeiro pagamento no Israel Discount Bank para Eduardo Cunha ocorreu em 10 de agosto de 2011, no valor de US$ 220.777,00. Raul Pernambuco Júnior relatou que houve uma dificuldade do Banco de seu pai para efetuar a transferência, em razão do banco destinatário.

Segundo o delator, Marcelo Macedo não participou especificamente desta conversa entre ele, seu pai e os representantes da OAS e da Odebrecht. Raul Pernambuco Junior disse que a Carioca, na época não tinha contato com Eduardo Cunha. O empreiteiro afirmou que ele e seu pai foram apenas “comunicados” pela Odebrecht e pela OAS sobre o “compromisso”.

“Como cada empresa deveria acertar os valores diretamente com Eduardo Cunha, o pai do depoente pediu que este procurasse referido parlamentar para acertar os pagamentos; que o contato telefônico de Eduardo Cunha foi repassado ao depoente por Benedicto Junior, a pedido do depoente; que foi passado ao depoente um numero de rádio Nextel”, afirmou.

O delator contou aos procuradores da Lava Jato que entrou em contato com Eduardo Cunha e marcaram uma primeira reunião. Raul Pernambuco Júnior disse não se recordar se o encontro se deu no escritório político do deputado, no centro do Rio, ou na Câmara, em Brasilia, ‘mas acredita que tenha sido no escritório político’. O empresário afirmou acreditar que a reunião tenha ocorrido no início de agosto de 2011.

“Indagado sobre a descrição do escritório político de Eduardo Cunha, respondeu que se trata de um escritório com decoração mais antiga, que tem uma antessala, com uma recepcionista; que, além disso, havia dois sofás, em seguida um corredor, com duas salas; que nestas salas havia uma secretária mais alta e um assessor do deputado; que este assessor era uma pessoa mais velha, com cerca de 60 anos, acreditando que fosse um pouco calvo, possuindo cabelo lateral; que nunca conversou, porém, nenhum assunto com tais pessoas; que mais à esquerda tinha a sala do deputado Eduardo Cunha, com uma mesa antiga, de madeira maciça, com muitos papeis em cima; que acredita que o escritório fique no 32° andar.”

De acordo com Raul Pernambuco Júnior, durante a reunião, ele perguntou ‘sobre o “compromisso” estabelecido e, inclusive, o valor, o que foi confirmado por Eduardo Cunha’. O empresário disse que ele e o pai não queriam que o dinheiro passasse “por dentro da empresa”, para ser o mais reservado possível. O delator contou que questionou Eduardo Cunha ‘sobre a possibilidade de estes pagamentos serem feitos em contas no exterior’.

“Eduardo Cunha disse que não haveria problema nenhum e, neste momento, ele indicou a primeira conta em que deveria ser efetivado o pagamento”, relatou Raul Pernambuco Júnior.

“Eduardo Cunha passou a conta em um papel, com os dados já digitados; que se lembra bem deste primeiro pagamento, porque o Banco indicado por Eduardo Cunha era denominado Israel Discount Bank; que não sabia se este banco era realmente em Israel; que já ficou estabelecido, inclusive, o valor do primeiro pagamento; que, dividindo o valor total devido pelo número de parcelas, o valor de cada parcela era de cerca de R$ 360 mil.”

O empreiteiro disse que a reunião deve ter durado cerca de 30 minutos, ‘oportunidade em que se conheceram melhor’. Raul Pernambuco Júnior afirmou que ‘até então não se conheciam ou ao menos não se recorda de tê-lo conhecido pessoalmente’.

“O depoente disse nessa reunião a Eduardo Cunha que seria impossível fazer depósitos mensais; que o depoente disse a Eduardo Cunha que fariam depósitos com periodicidade irregular; que esta impossibilidade de realizar depósitos mensais decorria da precaução que seu pai tinha em dar as ordens bancárias para o exterior; que o pai do depoente normalmente dava tais ordens aos gerentes das contas no exterior pessoalmente, seja em viagens que seu genitor fazia ao exterior ou, ainda, quando o gerente vinha ao Brasil; que não sabe se seu pai enviava ordens por outro meio de comunicação à distância, como fax ou e-mail.”

O delator continuou. “A pedido de seu genitor, o depoente solicitou uma reunião com Eduardo Cunha, por meio da secretária do depoente; que a secretária do depoente, de nome Sheila Oliveira, entrou em contato com a secretária do deputado Eduardo Cunha e, em seguida, enviou um e-mail para o depoente, questionando qual seria a “pauta para a reunião”; que o depoente respondeu o e-mail afirmando que “Ele está a par. Só avisa q sou eu””, declarou. Segundo o delator, este e-mail é datado de 16 de agosto de 2011.

Raul Pernambuco Júnior disse que a reunião ‘foi efetivamente marcada e realizada, não se recordando ao certo onde’.

“Nesta reunião, ocorrida provavelmente entre final de agosto e início de setembro, perguntou a Eduardo Cunha se haveria a possibilidade de mudar o banco e indicar uma conta na própria Suíça; que Eduardo Cunha concordou e disse não haver problemas; que Eduardo Cunha, no mesmo ato, já indicou a conta Esteban Garcia, no banco Merryl Lynch Bank, na Suíça; que a partir daí todos os depósitos para Eduardo Cunha foram na Suíça”, declarou. “Se estabeleceu que se houvesse necessidade de alteração do banco, isto deveria partir do deputado Eduardo Cunha; que, de qualquer forma, em toda oportunidade em que iriam fazer os pagamentos, o depoente ligava ou se encontrava com Eduardo Cunha para perguntar se “mantínhamos o mesmo endereço”.”

O delator narrou ainda que por uma ou duas vezes, as contas no exterior eram enviadas por Eduardo Cunha para ele, em envelopes lacrados e sigilosos, para a filial da Carioca em São Paulo, ‘contendo os dados da conta e códigos de transferência’.

A defesa de Eduardo Cunha foi procurada pela reportagem nesta quinta-feira, 14, mas ainda não se manifestou. O espaço está aberto para o presidente da Câmara.

Deixe o seu comentário no Verdade Gospel.

Fonte: Correio Braziliense

R7, Silas Malafaia e Feliciano adere ao Golpe de Estado.

Capetinhas

  1. A responsabilidade do STF de permitir que um político denunciado lidere impeachment.

  2. Esta não é a postura que a sociedade aguarda de um Tribunal dessa magnitude e como tal vai pagar na História o preço da omissão para sempre.:


  3. :
  4. Temer prometeu “parar a Lava Jato”, diz mensagem de WhatsApp de deputado

 Michel Temer parece com aqueles personagens de telenovelas que ao fim da trama revelam características desconhecidas do público. Depois dos boatos de que é satanista e de se mostrar um conspirador dado a trapalhadas, vem à tona a informação de que o vice-presidente tem seu lado carola.

“Ele é um homem temente a Deus. Nos disse, inclusive, que reza todas as noites”, revelou o deputado André Moura, líder do PSC na Câmara dos Deputados.

Acompanhado de Marco Feliciano e de outros parlamentares do partido de maioria evangélica, Moura foi ter com o vice-presidente no Palácio do Jaburu, na última quinta-feira (14).

No encontro, segundo o líder para mostrar o apoio da legenda ao impeachment, os integrantes da bancada da bíblia fizeram uma oração para Temer.

“Para que Deus lhe dê forças para conduzir o futuro do nosso país”, disse Moura.

O que me intriga nisso tudo é especular o que se passa pela cabeça de Temer nas suas orações noturnas.

Será que ele, autor de livros de Direito Constitucional, no íntimo da sua conversa com Deus acredita que exista legalidade no movimento de impeachment que ajudou a construir?

Ou pede, de joelhos no chão, que as bênçãos do Espírito Santo caiam sobre os deputados e orientem seus votos para o afastamento da presidente Dilma Rousseff?

As ideias de vazar a carta à presidente e o áudio com esboço do discurso de posse teriam surgido nesses momentos de meditação?

Pode ser que ele peça proteção divina contra as denúncias na Operação Lava Jato ou que os anjos conduzam as mãos de Sérgio Moro rumo ao encerramento da operação em dezembro.

Talvez esteja confiante e agradeça ao bom Deus por tudo que esteja acontecendo em Brasília e peça proteção para o desafio de assumir o Palácio do Planalto.

Ou sentiria o remorso dos traidores e rezaria pais-nossos e ave-marias em busca do perdão?

Tudo isso, claro, são apenas elucubrações.

No entanto, dá para apostar que o teor das preces, se é que existem, seja mundano e apontado para a conquista de graças na forma de poder e dinheiro.

Embora parlamentares da bancada evangélica vivam a legislar sobre questões morais como o Estatuto da Família, o que une esses varões e varoas são assuntos terrenos.

“A conquista de dividendos para as igrejas como a manutenção de isenção fiscal, a manutenção das leis de radiodifusão, a obtenção de espaços para a construção de templos e a transformação de eventos evangélicos em culturais para obtenção de verbas públicas estão nesse páreo”, explica à Agência Pública a pesquisadora e professora de Psicologia Bruna Suruagy, autora de uma tese de doutorado sobre a bancada.

Na Bíblia há um trecho que define perfeitamente essa congregação abençoada e serve para Temer e outros golpistas.

“Desde o menor até o maior, todos são gananciosos; profetas e sacerdotes agem do mesmo modo, todos são falsos e vivem na prática do engano”. Jeremias 6:13. Amém.

Jornal Nacional vira chacota na internete.

Últimas Notícias: Veja a lista secreta da Odebrecht com 320 políticos envolvidos em corrupção.

Moro, MPF e mídia abafam a lista da ODEBRECHT.

TRANSMISSÃO AO VIVO: Câmara vota pedido de Golpe de Estado.

Globo Online.

Globo vai cair no buraco no Cunha diz jornal.