Arquivo da categoria: Real Times

Denúncia!!!!! Querem legalizar a pedofilia no Brasil.Nova Ordem Mundial.

Veja os depravados  já estão no congresso, estão querendo destruir nossas crianças dentro das salas de aula.Atenção senhores pais!!!!! Atenção igreja !!!! Denuncia!!!!!!!

Esta na hora de colocar esses criminosos na cadeia.

Não quero que a Ideologia de Gênero seja inserida no PNE! Envie um e-mail para seu Deputado

http://www.parlamento.pt/DeputadoGP/Paginas/EmailDeputado.aspx?BID=462

Prezado (a) deputado (a),

Peço que vote contra a inserção da Ideologia de Gênero no Plano Nacional de educação. Trata-se de uma ideologia idealizada por fundações internacionais e pelos partidos de esquerda e que tem como objetivo final a abolição da família.

É apresentada sob a maquiagem da luta contra o preconceito, mas na verdade o seu objetivo é subverter completamente a sexualidade humana para que também a família possa ser destruída. Como se trata de uma ideologia controversa e sem nenhum fundamento científico, só resta aos seus defensores apresentá-la sob a bandeira da luta contra o preconceito.

Se essa ideologia for introduzida em nosso sistema educacional, estará comprometido todo o edifício social e legal que tinha seu sustento sobre a instituição da família. Os princípios legais para a construção de uma nova nova sociedade, baseada na total permissividade sexual, terão sido lançados. A instituição familiar passará a ser vista como uma categoria “opressora” diante dos gêneros novos e inventados, como a homossexualidade, bissexualidade, transexualidade e outros. Para que estes novos gêneros sejam protegidos contra a discriminação da instituição familiar, kits gays, bissexuais, transexuais e outros poderão tornar-se obrigatórios nas escolas. Já existe inclusive um projeto de lei que pretende inserir nas metas da Lei de Diretrizes e Bases da Educação nacional a expressão “igualdade de gênero”.

Diante do exposto pelo que vote contra a inclusão da Ideologia de Gênero no PNE. Não custa lembrar que estamos em ano eleitoral e que os responsáveis pela inclusão dessa ideologia em nosso sistema educacional serão lembrados nas urnas. 

Assine  ess a apetição

http://www.citizengo.org/pt-pt/5312-ideologia-genero-na-educacao-nao-obrigado?sid=MzcyNzI4NjM4NTgzNDc4

IG usa Jean Wyllys para atacar os princípios norteadores da família.Denúncia!!!!!!!

URGENTE: Lei Para Depravar as Crianças e Destruir a Família.

http://catedral.org.br/cardeal-orani-alerta-sobre-ideologia-de-genero-na-pne.html

Destruição da família.

Somos um país  de maioria  cristã e esse individuo não tem moral e  nem dignidade para nos representar no congresso.

Nos dias de hoje temos ouvido isso mais comumente. Isso é um movimento considerado anticatólico, que diz o seguinte: a criança nasce sem um sexo definido. Quando a criança nasce não deve ser considerada do sexo masculino ou sexo feminino; depois ela fará esta escolha. Essa é a chamada Identidade de gênero ou Ideologia de gênero.

Inclusive, já existem escolas para crianças na Suécia e na Holanda, onde não se pode chamar o aluno de menino ou menina, chama-os apenas de crianças, porque eles devem decidir quando crescerem se serão homens ou mulheres, o que é antinatural.

Veja o que Prof. Felipe tem a dizer sobre este assunto:

http://cleofas.com.br/voce-ja-ouviu-falar-em-ideologia-de-genero/

Infográfico: Colocando na balança Lula VS FHC.

malafaia.jpg

images

Desmascarando a fabulosa farsa do Reinaldo Azevedo.Conheça agora as 14 universidades criadas pelo ex-presidente com base em cruzamento de dados da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes.Acompanhe a goleada que o metalúrgico que não fala inglês aplica no Principe dos Sociólogos, exatamente na área da Educação.

Internauta desmonta nova farsa de "Veja", a revista parceira do crime organizado.Infográfico: Educação no Brasil (parte 1)

 

Acompanhe a goleada que o metalúrgico que não fala inglês aplica no Principe dos Sociólogos, exatamente na área da Educação.

(Aquela em que Fernando Haddad brilhou.)

A comparação do que se passou na Educação nos dez anos de Lulilma e nos oito sombrios do Farol de Alexandria, aquele que iluminava a Antiguidade e foi destruido por um terremoto de nome Lula, se reproduz nos outros setores da administração.

Como se sabe, o Farol quebrou o Brasil tres vezes e tres vezes foi ao FMI.

COMPARTILHE A NOVA SÉRIE DE INFOGRÁFICOS SOBRE EDUCAÇÃO EM 10 ANOS DE GOVERNO DEMOCRÁTICO E POPULAR

O Brasil comemora em 2013 uma década de governo democrático e popular. No dia 15 de abril, aconteceu em Belo Horizonte um seminário para debater os avanços e desafios da educação nesses 10 anos, com a participação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma Rousseff. O Instituto Lula convidou o infografista Ilustre Bob e transformou alguns desses destaques em infográficos simples, mas com números impressionantes, e que mostram como a educação foi tratada de forma diferente nesses 10 anos. Convidamos você a conhecer e compartilhar essas informações.

O governo Lula marcou o início de uma mudança importante na maneira de tratar a educação no Brasil, ampliando e democratizando o acesso à educação em todos os níveis, uma preocupação que vem se consolidando com o governo da presidenta Dilma Rousseff. A educação deixou de ser segmentada artificialmente, de acordo com a conveniência administrativa ou fiscal, e passou a ser vista como uma unidade, da creche à pós-graduação. A educação tratada como prioridade revelou-se, por exemplo, no orçamento do MEC, que passou de R$ 33,1 bilhões em 2002, para 86,2 bilhões em 2012.

Clique aqui para ler o balanço de governo e saber mais sobre as iniciativas da educação no governo Lula.

Ensino superior
Graças ao Programa Universidade para Todos (Prouni), mais de um milhão de bolsas integrais e parciais já foram oferecidas a estudantes de baixa renda. Além disso, o Reuni ampliou para mais de 240 mil as vagas em universidades federais, o que representa mais do que o dobro das vagas existentes há 10 anos. Em 2012, outros 370 mil estudantes se beneficiaram do Fies, Programa de Financiamento Estudantil, que em 2003 tinha apenas 50 mil contratos fechados.

Ensino profissional e técnico
Lula criou 214 novas escolas federais, número maior do que o de todas as escolas já criadas na história do Brasil. Dilma prevê a criação de outras 208 até 2014. Graças a um acordo com o Sistema S (explicar o que é), já foram ofertadas mais de um milhão de vagas gratuitas desde 2009.

Ensino básico
No ensino básico, o complemento da União investido no Fundeb – Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, passou de R$ 500 mil reais, em 2003, para 10,5 bilhões, em 2012, um aumento de mais de 20 vezes.Outros destaques desses 10 anos de governo democrático e popular:
O orçamento do MEC passou de 33,1 bilhões de reais para 86,2 bilhões de reais (valores corrigidos)
Gasto público passa de 4,8% do PIB para 6,1% do PIB. A meta é alcançar 7% do PIB
Foram criadas 14 novas universidades, com 126 novas extensões dos campi
Duplicou número de vagas nas universidades federais
1,1 milhão de bolsas para estudantes de baixa renda nas faculdades particulares (Prouni)
6,7 milhões de universitários atualmente – eram 3,5 milhões em 2002
FIES – 25 bilhões de reais emprestados a 760 mil universitários
290 novas escolas técnicas, com 1 milhão de alunos
Pronatec – 2 milhões de alunos matriculados
Ensino básico – 116 bilhões de reais para Fundeb 2013
Evasão escolar nos primeiros anos do ensino fundamental caiu de 8,2% para 1,6
50% dos recursos do pré-sal assegurados em Lei para a Educação
Valorização do magistério, com a formação inicial e continuada de professores e a regulamentação do piso salarial

Conheça mais sobre o infografista Ilustre Bob:
Site: http://ilustrebob.com
Twitter: @ilustrebob
Facebook: http://www.facebook.com/ilustredesign

 

Veja os outros gráficos

Denúncia Eleição 2014.Como-FCH-e o-PSDB-tentaram-privatizar-a-petrobras.Facebook Brasil

Selecionamos aqui uma sequência de  notícias a respeito da luta empreendida pelo PSDB-DEM para privatizar a Petrobrás e o petróleo brasileiro desde os anos 1990, durante o governo de Fernando Henrique, mas também após o fim daquele governo, quando esta coligação ” Bando” continuou criticando e atacando sistematicamente a Petrobrás e agora, o Pré-Sal.Veja tudo nesse link

Governo FHC preparava a privatização da Petrobrás: “ANP defende venda de refinarias da Petrobrás” – O Estado de S Paulo 07/01/1999

Veja porque os candidatos da Globo,Uol,Folha,IG e Veja não servem para governar o Brasil.

Um resumo das privatizações de FHC e Serra.

Relação de empresas estatais brasileiras, privatizadas (entregues) pelo do governo neoliberal de FHC.

Do Blog do Miro

A memória de um Brasil privatizado
Reproduzo artigo do jornalista Tiago Soares:

Imagine que você trabalhou toda uma vida para adquirir um patrimônio. E que, em meio a dívidas, tenha decidido vender uma ou outra coisa para colocar as contas em dia.
Agora imagine que o comprador, durante a negociação, tenha lhe confidenciado que anda meio sem grana. E que então você, ansioso/a para bater o martelo, resolva emprestar para o interessado o dinheiro com o qual seu patrimônio será comprado. O comprador te pagaria de volta a perder de vista, assim que começasse a lucrar com o que acaba de adquirir. Detalhe: você teria vendido justamente os bens com os quais gerava parte de sua renda. E por um preço bastante abaixo do valor de mercado.

Pois foi justamente assim que se deu boa parte das privatizações realizadas no Brasil no governo de Fernando Henrique Cardoso, de meados da década de 1990 até 2002. Empresas públicas produtivas, como a Vale do Rio Doce e a Light, vendidas a preços muito abaixo do que realmente valiam, com financiamento público a perder de vista.Mais

Lista das empresas privatizadas por Serra e FHC.

O que disse FHC para Serra: “É preciso dizer sempre em todo lugar que esse governo não retarda privatização, não é contra NENHUMA PRIVATIZAÇÃO, e vai vender tudo o que der para vender”, mostra também que José Serra garante a privatização da Vale do Rio Doce:
“A descoberta dessa mina não altera em nada o processo de privatização. Só o preço, que poderá ser maior.”

Relação de empresas estatais brasileiras, privatizadas (entregues) pelo do governo neoliberal de FHC e José Serra, junto com governos estaduais da época, principalmente o do ex-governador Geraldo Alckmin:
  • AES SUL (CEEE Distribuição) – vendida para a empresa americana AES;
  • BANDEIRANTE Energia – vendida para o grupo Português EDP;
  • CELPE – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CEMAR – vendida ao grupo americano Ulem Mannagement Company;
  • CESP TIETE – vendida para a empresa americana DUKE;
  • CETEEP – vendida para a empresa estatal Colombiana ISA;
  • COELBA – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CONGÁS – vendida ao grupo britânico British Gas/Shell;
  • COSERN – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CPFL – vendida para o grupo brasileiro VBC;
  • ELEKTRO – vendida para a empresa americana ENRON;
  • ELETROPAULO – vendida para a empresa americana AES;
  • ESCELSA – vendida ao grupo português GTD Participações, juntamente com o consorcio de Bancos Iven S.A;
  • GERASUL – vendida para empresa Belga Tractebel;
  • LIGHT- vendida ao grupo francês e americano EDF/AES;
  • RGE – vendida para o grupo brasileiro VBC;
  • BAMERINDUS – vendido ao grupo britânico HSBC;
  • BANCO BANESPA – vendido ao grupo espanhol Santander;
  • BANCO MERIDIONAL – vendido para o Banco Bozano;
  • BANCO REAL – vendido ao grupo ABN-AMRO, hoje sob o controle do grupo Santander;
  • BEA (Banco do Amazonas S.A.) – vendido ao Bradesco;
  • BEG (Banco de Goiás) – vendido ao Itaú;
  • CARAIBA – Mineração Caraíba Ltda;
  • CIA. VALE do RIO DOCE;
  • PQU (Petroquímica União S.A);

- Empresas de Telecomunicação do grupo TELEBRAS:

EMBRATEL, TELESP, TELEMIG, TELERG, TELEPAR, TELEGOIÁS, TELEMS, TELEMAT, TELEST, TELEBAHIA, TELERGIPE, TELECEARÁ, TELEPARÁ, TELPA, TELPE, TELERN, TELMA, TELERON, TELEAMAPÁ TELAMAZON, TELEPISA, TELEACRE, TELAIMA, TELEBRASÍLIA, TELASA. A maioria vendida a grupos internacionais: espanhol, italiano, mexicano e, algumas a um grupo brasileiro.

O que foi exposto ilustra claramente qual é a política econômica a ser adotada, caso José Serra seja presidente. Uma política de venda do patrimônio público, sem nenhum pudor.

Se Serra for o próximo presidente poderá bater o martelo para vender o que restou de nossas empresas:

  • Petrobras;
  • BNDES;
  • Banco do Brasil;
  • Caixa Econômica Federal;
  • Furnas;
  • Chesf;
  • Eletronorte;
  • Eletrosul, dentre outras.
Ele só precisa de mais quatro anos de governo para concluir o serviço que começou com o governo FHC.
As privatizações comprovam que eles são os entreguistas do Brasil.
Mais
images

Eleição 2014.Globo Jornal Nacional esta manipulando denúncias sobre Petrobras-Alstom

imagespig_chega66663

Do Jornal GGN - Na edição de ontem, o Jornal Nacional manipulou informações, sonegou dados recebidos e produziu uma denúncia factualmente falha contra a Petrobras.

A denuncia seguiu o padrão atual de criação de factoides abrindo mão do rigor jornalístico. Tratava de um contrato com entidades e pessoas que entraram na linha de fogo da mídia: Petrobras, Alstom, senador Delcídio do Amaral e o ex-vice presidente internacional Nestor Cerveró.

A partir daí, produziu-se mais uma salada que envergonha o jornalismo.

A matéria “Documentos mostram que Petrobras  desprezou opinião de advogados para fechar contrato com a Asltom” (http://tinyurl.com/lrcmbbk) referia-se a compras e manutenção de turbinas em termelétricas adquiridas nos governos Fernando Henrique Cardoso, Lula e Dilma Rousseff.

A matéria começa dando destaque aos gastos de viagem (R$ 44 mil) de um executivo que foi à Suíça negociar a compra das turbinas. Depois informa que o Departamento Jurídico levantou 22 problemas que poderiam causar prejuízo.

Não explicou que em toda compra dessa natureza, cabe ao Jurídico levantar dúvidas, que são respondidas ou não pela área técnica. Se as respostas forem satisfatórias, mantem-se as cláusulas; não sendo, aprimoram-se. Se há respostas, não há desprezo pelas observações do Juridico.

O que a reportagem fez foi colocar apenas as dúvidas e sonegar do leitor as explicações que foram aceitas pelo Jurídico.

Segundo a matéria, “o contrato previa que “o único remédio possível” (em caso de quebra do equipamento) seria receber até 15% do valor, e não o valor integral da peça”. Prossegue: “Na mesma cláusula, deixava-se ao critério do vendedor, a Alstom, a alteração de garantias de desempenho. O jurídico sugeriu a supressão dessa possibilidade, e completou: é de se notar que, caso haja atraso por culpa do vendedor, não existe nenhum tipo de penalidade, mesmo considerando-se os prejuízos que poderão advir”.

A nota da área técnica – que foi entregue à reportagem do JN (segundo nota divulgada há pouco pelo senador Delcídio Amaral) – explicava que o reembolso de 15% referia-se apenas no caso das usinas não apresentarem a performance prevista. “A possibilidade de quebra é tratada em outra cláusula do contrato (cláusula de garantia) que obriga o vendedor a repor as peças quebradas durante o período da garantia”.

A segunda denúncia do JN foi a de que o contrato permitiria à Alstom uma revisão unilateral das condições estabelecidas.

Máquinas térmicas têm seu desempenho alterado pelas condições ambientais do local de instalação e pela composição do combustível. A cláusula em questão obrigava o vendedor a corrigir os valores de performance padrão para as condições ambientais reais. Ou seja, a Petrobras adquiriu a performance. Se não fosse atendida pelos equipamentos entregues, o vendedor teria a obrigação de mudar as especificações para atender ao contratado.

http://jornalggn.com.br/noticia/jornal-nacional-manipulou-denuncias-sobre-petrobras-alstom

Eleição 2014.Jornalismo da Globo envergonha o Brasil.

http://jornalggn.com.br/noticia/jornal-nacional-manipulou-denuncias-sobre-petrobras-alstom

NASSIF: JN E A MANIPULAÇÃO
SOBRE PETROBRAS-ALSTOM

Denuncia seguiu o padrão atual de criação de factoides abrindo mão do rigor jornalístico.
9d1a1-globooquepoderiaserfeito

Presidente do Supremo Tribunal Federal desmoraliza jornalismo sujo da Globo.

Leia a íntegra da carta encaminhada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, à revista Época.

Carta à revista Época
Sr. Diretor de Redação,

A matéria “Não serei candidato a presidente” divulgada na edição nº 823 dessa revista traz em si um grave desvio da ética jornalística. Refiro-me a artifícios e subterfúgios utilizados pelo repórter, que solicitou à Secretaria  de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal para ser recebido por mim apenas para cumprimentos e apresentação. Recebi-o por pouco mais de dez minutos e com ele nao conversei nada além de trivialidades, já que o objetivo estabelecido, de comum acordo, não era a concessão de uma entrevista. Era uma visita de cunho institucional do Diretor da Sucursal de Brasília da Revista Época. Fora o condenável método de abordagem, o texto  é repleto de erros factuais, construções imaginárias e preconceituosas, além de  sérias acusações contra a minha pessoa.

A matéria é quase toda construída em torno de um crasso erro factual. O texto afirma que conheci o ministro  Celso de Mello na década de 90, e que este último teria escrito o prefácio do meu livro “Ação Afirmativa e princípio Constitucional da Igualdade”. Conheci o ministro Celso de Mello em 2003, ano em que ingressei no STF. Não é dele o prefácio da obra que publiquei em 2001, mas sim do já falecido professor de direito internacional Celso Duvivier de Albuquerque Melo, que de fato conheci nos anos 90 e foi meu colega no Departamento de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Mais grave, porém, é a acusação de que teria manipulado uma votação, impedindo deliberadamente que um ministro do STF se manifestasse. O objetivo seria submeter o ministro a pressões da “mídia” e de “populares”. Isso não é verdade. Ofensiva para qualquer cidadão, a afirmação ganha contornos ainda mais graves quando associada ao Chefe do Poder Judiciário. Portanto, antes de publicar informação dessa natureza, o repórter tinha a obrigação de tentar ouvir-me sobre o assunto, o que pouparia a revista de publicar informação incorreta sobre minha atuação à frente da Corte.

No campo pessoal, as inverdades narradas na matéria são ainda mais ofensivas e revelam total desconhecimento sobre a minha biografia. Minha mãe nunca foi faxineira. Ela sempre trabalhou no lar, tendo se dedicado especialmente ao cuidado e à educação dos filhos. O texto, que me classifica como taciturno, áspero, grosseiro, não apresenta fundamentos para essas afirmações que, além de  deselegantes, refletem apenas a visão distorcida e preconceituosa do repórter. O autor da matéria  não apresenta elementos que sustentem os adjetivos gratuitos que utiliza.

Também desrespeitosa é a menção aos meus problemas de saúde. Ao afirmar que a dor causou “angústia e raiva”, o jornalista traçou um perfil psicológico sem apresentar os elementos que lhe permitiram avaliar o impacto de um problema de saúde em uma pessoa com a qual ele nunca havia sequer conversado.

Outra falha do texto é a referência à teoria do “domínio do fato”. Em nenhum momento a teoria foi evocada por mim para justificar a condenação dos réus no julgamento da Ação Penal 470. Basta uma rápida leitura do meu voto para verificar esse fato.

Finalmente, não tenho definição com relação ao momento de minha saída do Supremo e de minha aposentadoria. Muito menos está definido o que farei depois dessa data, embora a matéria tenha afirmado – sem  que o jornalista tenha sequer tentado entrevistar-me sobre o tema – que irei dedicar-me ao combate ao racismo.

Triste exemplo de jornalismo especulativo e de má-fé.

Joaquim Barbosa
Presidente do Supremo Tribunal Federal
Leia a íntegra da carta encaminhada pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, à revista Época.

Carta à revista Época
Sr. Diretor de Redação,

A matéria “Não serei candidato a presidente” divulgada na edição nº 823 dessa revista traz em si um grave desvio da ética jornalística. Refiro-me a artifícios e subterfúgios utilizados pelo repórter, que solicitou à Secretaria  de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal para ser recebido por mim apenas para cumprimentos e apresentação. Recebi-o por pouco mais de dez minutos e com ele nao conversei nada além de trivialidades, já que o objetivo estabelecido, de comum acordo, não era a concessão de uma entrevista. Era uma visita de cunho institucional do Diretor da Sucursal de Brasília da Revista Época. Fora o condenável método de abordagem, o texto  é repleto de erros factuais, construções imaginárias e preconceituosas, além de  sérias acusações contra a minha pessoa.

A matéria é quase toda construída em torno de um crasso erro factual. O texto afirma que conheci o ministro  Celso de Mello na década de 90, e que este último teria escrito o prefácio do meu livro “Ação Afirmativa e princípio Constitucional da Igualdade”. Conheci o ministro Celso de Mello em 2003, ano em que ingressei no STF. Não é dele o prefácio da obra que publiquei em 2001, mas sim do já falecido professor de direito internacional Celso Duvivier de Albuquerque Melo, que de fato conheci nos anos 90 e foi meu colega no Departamento de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Mais grave, porém, é a acusação de que teria manipulado uma votação, impedindo deliberadamente que um ministro do STF se manifestasse. O objetivo seria submeter o ministro a pressões da “mídia” e de “populares”. Isso não é verdade. Ofensiva para qualquer cidadão, a afirmação ganha contornos ainda mais graves quando associada ao Chefe do Poder Judiciário. Portanto, antes de publicar informação dessa natureza, o repórter tinha a obrigação de tentar ouvir-me sobre o assunto, o que pouparia a revista de publicar informação incorreta sobre minha atuação à frente da Corte.

No campo pessoal, as inverdades narradas na matéria são ainda mais ofensivas e revelam total desconhecimento sobre a minha biografia. Minha mãe nunca foi faxineira. Ela sempre trabalhou no lar, tendo se dedicado especialmente ao cuidado e à educação dos filhos. O texto, que me classifica como taciturno, áspero, grosseiro, não apresenta fundamentos para essas afirmações que, além de  deselegantes, refletem apenas a visão distorcida e preconceituosa do repórter. O autor da matéria  não apresenta elementos que sustentem os adjetivos gratuitos que utiliza.

Também desrespeitosa é a menção aos meus problemas de saúde. Ao afirmar que a dor causou “angústia e raiva”, o jornalista traçou um perfil psicológico sem apresentar os elementos que lhe permitiram avaliar o impacto de um problema de saúde em uma pessoa com a qual ele nunca havia sequer conversado.

Outra falha do texto é a referência à teoria do “domínio do fato”. Em nenhum momento a teoria foi evocada por mim para justificar a condenação dos réus no julgamento da Ação Penal 470. Basta uma rápida leitura do meu voto para verificar esse fato.

Finalmente, não tenho definição com relação ao momento de minha saída do Supremo e de minha aposentadoria. Muito menos está definido o que farei depois dessa data, embora a matéria tenha afirmado – sem  que o jornalista tenha sequer tentado entrevistar-me sobre o tema – que irei dedicar-me ao combate ao racismo.

Triste exemplo de jornalismo especulativo e de má-fé.

Joaquim Barbosa
Presidente do Supremo Tribunal Federal

Conversa Afiada.