Arquivo da categoria: video

Jornais brasileiros viram chacota na rede mundial.

Lava jato só ataca de um lado diz jornalista.O PSDB vai desmoralizar Janot como desmoralizou Moro?

PROPINA A AÉCIO LEVOU SEIS MESES PARA VAZAR.

Lava Jato.DELATOR APONTA PROPINA PARA AÉCIO DE R$ 300 MIL.

Crime organizado.Delação só vira manchete quando é para incriminar o PT.

Veja homens que desonram a profissão.Quanto se trata de Lula, os mercenários pagos travestidos de jornalistas, colocam letras garrafais, quando se trata de Aecim,  só aparece nos rodapés dos jornais.

O que a Folha de S.Paulo faria se um delator da Lava Jato mencionasse o pagamento de uma propina de R$ 300 mil para o ex-presidente Lula? Não há nenhuma dúvida de que o caso seria estampado em letras garrafais na manchete principal do jornal.

Nota de rodapé da Folha sobre Aécio já diz tudo..

DELATOR APONTA PROPINA PARA AÉCIO DE R$ 300 MIL.247

Anteriormente, Aécio já havia sido citado pelo próprio Youssef como responsável por um mensalão em Furnas (leia mais aqui).247

:
:
Apontado como entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, Carlos Alexandre de Souza Rocha disse em delação premiada homologada pelo STF na Operação Lava Jato ter levado a quantia no segundo semestre de 2013 a um diretor da UTC no Rio de Janeiro chamado Miranda, que lhe disse que o montante teria como destino o senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG), que foi derrotado na disputa presidencial do ano passado; segundo Rocha, Miranda “estava bastante ansioso” pelos R$ 300 mil, o que lhe causou estranheza; o diretor contou que “não aguentava mais a pessoa” lhe “cobrando tanto”; Rocha teria perguntado quem era e Miranda respondeu Aécio Neves, de acordo com o delator; por meio de sua assessoria, o tucano chamou de “absurda” a citação de Rocha; anteriormente, Aécio já havia sido citado pelo próprio Youssef como responsável por um mensalão em Furnas

.

247 – O senador Aécio Neves (PSDB-MG) recebeu R$ 300 mil de um diretor da UTC Engenharia, uma das empresas investigadas na Operação Lava Jato, segundo o delator Carlos Alexandre de Souza Rocha, conhecido como Ceará. A informação foi publicada em reportagem de Rubens Valente, da Folha de S. Paulo, nesta quarta-feira 30.

Rocha é apontado como entregador de dinheiro do doleiro Alberto Youssef, e teve sua delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Ele contou aos investigadores ter levado a quantia no segundo semestre de 2013 a um diretor da UTC no Rio de Janeiro chamado Miranda, que lhe disse que o montante teria como destino o senador tucano.

O diretor financeiro da UTC, Walmir Pinheiro Santana, confirmou que o diretor comercial da empreiteira no Rio chamava-se Antonio Carlos D’Agosto Miranda e que “guardava e entregava valores em dinheiro a pedido” dele ou de Ricardo Pessoa, dono da empresa.

Segundo Rocha, Miranda “estava bastante ansioso” pelos R$ 300 mil, o que lhe causou estranheza e o levou a perguntar o motivo. O diretor da UTC contou então que “não aguentava mais a pessoa” lhe “cobrando tanto” o dinheiro. Rocha teria perguntado quem era e Miranda respondeu Aécio Neves, de acordo com o delator.

Por meio de sua assessoria de imprensa, o tucano chamou de “absurda” a citação de Rocha.

Anteriormente, Aécio já havia sido citado pelo próprio Youssef como responsável por um mensalão em Furnas (leia mais aqui).

Telesur desmascara o terrorismo midiático do PiG.

Jornalistas ou mercenários. Você decide.

Inimigos do Estado.

 

Veja.O pior blogueiro de 2015, ou pior Blogueiro da História..

Ricardo Noblat lutou bravamente, mais o troféu ficou para Reinaldo Azevedo.Azevedo plantou com fartura, ódio e a intolerância que se tornaram marcas  latentes entre os ignorantes  e desinformados desse  país.

Mais

O pior blogueiro de 2015. Por Paulo Nogueira

Deve a carreira a Lula

Ricardo Noblat bem que se empenhou, mas é de Reinaldo Azevedo o título de Pior Blogueiro de 2015.

A obra de Azevedo já é tão antiga e tão constante que, a rigor, ele poderia ser o Pior Blogueiro da História.

Azevedo semeou, ao longo dos anos no site da Veja, o ódio e a intolerância que se tornaram marcas entre os analfabetos políticos do país.

Ele não os formou. Ele os deformou. Transformou-os num exército abominável de pessoas que se comprazem em hostilizar gente que não pensa como elas.

Filhos mentais de Reinaldo Azevedo estiveram por trás, por exemplo, da agressão a Chico Buarque.

O espaço dado nas empresas jornalísticas a ele – hoje, além da Folha, ele pode ser encontrado na Jovem Pan e na Folha – explica-se no seguinte: Reinaldo Azevedo jamais escreveu nada que contrariasse os interesses dos barões da mídia.

Ele trabalha incessantemente em favor da plutocracia. É um expoente do jornalismo patronal. Se fosse mais talentoso, seria uma reedição do Lacerda da Tribuna da Imprensa.

Reinaldo Azevedo deve a carreira a Lula e ao PT. Antes disso, quando a mídia brasileira era mais plural e equilibrada, ele foi um jornalista inexpressivo, sem nada que o distinguisse.

O PT no poder levou os donos da mídia a uma progressiva radicalização à direita. Editores e colunistas progressistas foram sendo afastados, e em seu lugar apareceram as chamadas penas de aluguel.

A Veja, que foi quem primeiro se deslocou para a direita, tirou do ostracismo dois nomes que se tornariam símbolo do antipetismo feroz: Reinaldo Azevedo, no site, e Diogo Mainardi, na edição impressa.

Certamente não estaríamos falando deles aqui se Lula não tivesse ascendido ao poder e a mídia continuasse a se governar, nas redações, pelo critério da meritocracia.

Azevedo se gaba de haver criado uma palavra – petralha – que é uma marca registrada dos analfabetos políticos brasileiros.

Essa autoglorificação por uma tolice retrata uma personalidade insegura e sempre em busca de aprovação.

Revela, igualmente, uma extraordinária falta de noção. Tolstoi tinha sérios reparos a sua obra-prima, Ana Karenina. Shakespeare jamais enalteceu Macbeth.

Mas Azevedo gostaria de uma estátua – que não duraria 24 horas, aliás – por causa de “petralha”.

Sua falta de compromisso com os fatos é notável. Na morte de Margaret Thatcher, ele escreveu uma elegia na qual disse que ela morrera pobre.

Não sei quais os critérios de pobreza adotados por Azevedo, mas Thatcher legou aos dois herdeiros, entre outros bens, uma casa avaliada em 40 milhões de reais na região mais nobre de Londres, Mayfair.

Azevedo simboliza também outra face da mídia: a derrota nas urnas. Desde que ganhou os holofotes na Veja, nunca um candidato presidencial apoiado por ele foi o vencedor.

É um perdedor. Vê-se, aí, seu escasso poder de convencimento. Prega para convertidos.

Em 2015, seu ápice foi a louvação de Eduardo Cunha, só mitigada quando os suíços despacharam para o Brasil os documentos que detalhavam suas contas secretas nascidas da roubalheira.

Por tudo isso, é o pior blogueiro do ano. Ou, como disse no início, da história.

(Acompanhe as publicações do DCM no Facebook. Curta aqui).

Paulo Nogueira
Sobre o Autor

O jornalista Paulo Nogueira é fundador e diretor editorial do site de notícias e análises Diário do Centro do Mundo.

Justiça condena Eduardo Azeredo (PSDB) a 20 anos de prisão por mensalão tucano

mi_1577027587611656

8297f-tabelacorrupc3a7c3a3o

3bdd6-mensalc3a3otucanodisfarc3a7adodemineiro

16017-acorda_pedrosimon_1

Ex-senador Eduardo Azeredo foi condenado a regime inicialmente fechado.A sentença  saiu nesta quarta feira ás 20 horas. 20 anos  de prisão em regime  fechado

O ex-senador Eduardo Azeredo(PSDB), foi condenado, em primeira instância, a 20 anos e 10 meses de prisão, em regime inicialmente fechado, pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro. A sentença foi proferida nesta quarta-feira (16) pela juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, Melissa Pinheiro Costa Lage. . Ele foi considerado culpado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro.Da decisão cabe recurso e ele pode recorrer em liberdade
.
Azeredo foi condenado por crimes cometidos durante a campanha eleitoral pela sua reeleição ao governo de Minas Gerais, em 1998. Outros oito réus aguardam julgamento.Entenda o esquema

O esquema criminoso de financiamento da campanha aconteceu em 1998, quando o então governador Eduardo Azeredo (PSDB) era candidato a reeleição. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o esquema teria utilizado recursos públicos e doações ilegais, por meio do chamado Valerioduto, operado pelo empresário Marcos Valério, preso condenado do mensalão petista.

Os recursos eram liberados pelas empresas estatais – como a Copasa e a antiga Comig, atual Codemig – para a agência de publicidade com a qual mantinha contrato, a SMP&B, de Marcos Valério, com o objeto de promover eventos esportivos.

Simultaneamente, a agência contraía empréstimos em bancos, com o Bemge, que depois eram pagos com recursos públicos obtidos pela própria instituição bancária, que transferia verbas por meio de contratos simulados de publicidade autorizados pelas empresas estatais.

De acordo com a acusação, a agência de publicidade de Valério usou recursos dos empréstimos para pagar lideranças políticas e outras pessoas que organizavam e trabalhavam na campanha. Ele ainda usou os recursos dos patrocínios para quitar os empréstimos.

Ainda segundo a denúncia, Valério e seus sócios teriam realizado a saída clandestina de recursos financeiros do país, como os obtidos por caixa 2, em montante superior a US$ 628 mil, em Nova York.

Os recursos, cerca de R$ 3,5 milhões na época (Mais de R$ 9 milhões em valores atuais), eram utilizados para pagar despesas de campanha do tucano Eduardo Azeredo.

O Brasil e seus fichas sujas no golpe.

A falta de moral  suja o congresso nacional.Essa turma deveria  lavar a boca para falar mal da  presidente.

Silas Malafaia ‘não tem autoridade para falar em nome dos evangélicos?’,Verdades Gospel.

Malafaia: A quem ele representa?

Violência verbal e ênfase no dinheiro levam o Pr. Silas a atrair rejeição dentro da Igreja.

Malafaia: A quem ele representa?

O dedo em riste, os gestos amplos e o olhar desafiador já viraram suas marcas registradas. Há mais de três décadas no ministério pastoral, Silas Lima Malafaia, de 54 anos, é hoje uma das personalidades mais famosas do país. Nem tanto pela exposição na TV, que vem desde 1982, quando entrou no ar com o programa Renascer (não, nada a ver com a igreja de Estevam Hernandes): foram a pregação eloquente, muitas vezes aos gritos, e as polêmicas nas quais sempre se meteu que o tornaram conhecido, requisitado e combatido. Dizendo-se chamado para falar o que muito crente não tem coragem, Malafaia é tido como porta-voz por aqueles que o veem como profeta levantado por Deus. Por outro lado, o líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo – denominação que criou em 2010, quando desligou-se da Convenção Geral das Assembleias de Deus, a CGADB, denunciando desmandos e irregularidades na entidade que integrou por muitos anos – coleciona desafetos. E não é apenas a militância gay quer vê-o pelas costas. Dentro da Igreja Evangélica, são muitos os que o desautorizam, inconformados por ver sua fé representada por alguém como ele.

Hoje, o Silas Malafaia que o Brasil conhece é muito diferente do jovem pregador que começou seu ministério na Assembleia de Deus da Penha, subúrbio do Rio. À frente das câmeras, diante de congregações lotadas ou nas constantes aparições via mídia, o pastor tem sempre algo a dizer sobre tudo – da política nacional à bioética, passando pelo aborto e pela questão dos direitos civis dos homossexuais, sua principal bandeira hoje. As pregações, geralmente, não se aprofundam na teologia que aprendeu nos bancos do Instituto Bíblico Pentecostal. Gravadas e comercializadas aos borbotões de CDs e DVDs, têm caráter essencialmente prático na vida do crente – “vitória”, “conquista” e “colheita” são expressões recorrentes, inclusive nos livros que publica. Além da ADVEC, o pastor dirige um conglomerado empresarial que inclui a Editora Central Gospel, a gravadora do mesmo nome e a Associação Vitória em Cristo, além do site Verdade Gospel.

Números de votos que Malafaia  conseguiu para o Pastor Everaldo,revela definitivamente que   Malafaia tira votos dos candidatos. Pastor Everaldo não teve votos nem das Assembleia de Deus.Malafaia precisa primeiro se afiliar as Convenções das Assembleia de Deus  no Brasil.Malafaia precisa conquistar as lideranças das principais denominações do Brasil.Qualquer candidato que Malafaia apoiar irá perder as eleições.

http://www.cartacapital.com.br/blogs/direto-de-sao-paulo/cunha-usou-assembleia-de-deus-para-receber-propina-diz-pgr-5886.html

http://noticias.gospelmais.com.br/silas-malafaia-representa-povo-evangelico-pastor-43768.html

 

 

 

 

 

 

 

 

Orquestrado por setores da mídia bandida e criminosa golpe fracassa no Brasil.Epocaestado.

 Conversa Afiada.

Fracasso retumbante. Impítim não tem as ruas!

Fracasso retumbante. Impítim não tem as ruas!

No Rio, teve mais helicóptero que manifestante

interna.jpg

Cobertura da Globonews mostra o fracasso

Neste domingo (13) movimentos que defendem o impeachment da Presidenta Dilma Rousseff foram às ruas para reaquecer o assunto.

Em ao menos 100 cidades do país houve manifestações.

Em São Paulo, o evento, que estava marcado para às 13h, não atendeu às expectativas dos organizadores.

Às 13h30, a avenida tinha pouca gente, mesmo para o domingo, que a região é fechada para automóveis.

Meia hora depois, no MASP, marombeiros que  participavam de outro evento decretaram o fracasso dos Golpistas. “Vazia. Nós enchemos o Masp é de maromba”, disse um dos participantes.

Data da manifestação

Pelo twitter, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, lembrou que o Ato Institucional 5 (AI-5) foi instituído em um 13 de dezembro.

“A ditadura baixou o Ato Institucional nº 5 e acabou com as liberdades democráticas no País”, manifestou-se.

Rio de Janeiro

Na capital fluminense, o número de manifestantes ficou longe da de manifestações anteriores.

Em tempo: o Conversa Afiada aplicou o Kamometro às manifestações golpistas. Localizou dois negros. Carregavam faixas e eram provavelmente pagos para isso. Kamometro é uma engenhoca criada pelo departamento de Ciência e Tecnologia do C Af para registrar negros. Negros na rigorosa acepção do Gilberto Freire com “i”  – PHA

Em tempo2: tinha mais gente na porta da FIESP em São Paulo contra a CPMF que contra a Dilma.