Arquivo da tag: civita

Extra.Veja o perigo que o Grupo Abril representa para o Brasil.Teleglobo.

Lava Jato é para destruir
Petrobras e empreiteiras.

Abril parceira do capital especulativo.Como diz o Helio Fernandes: a “Sujíssima VEJA” dos mafiosos Civita.Sua VENALIDADE, falta de DIGNIDADE, total e completa ausência de CREDIBILIDADE. É preciso denunciar esses corruptos multinacionais que vieram para o Brasil como o último refúgio para não irem para a cadeia.

Vamos importar do Nordeste uma solução para a falta de água em São Paulo

Para os que querem deixar o Brasil

Joice Hasselmann  da Tv Veja

GOLPE DA EDITORA ABRIL

PIG em crise, Editora Abril que edita a VEJA devolve prédio. na Marginal Pinheiros, em São Paulo
Esta segunda-feira foi um dia melancólico para a Editora Abril, que edita a revista Veja; metade da sede do grupo, na Marginal Pinheiros, em São Paulo, foi desocupada e entregue à Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil, que alugará os escritórios para outros clientes; quem chegou para trabalhar não encontrou mais o busto de Victor Civita, o fundador do império, na recepção; em crise, Abril fecha revistas e demite em todas as suas áreas

Em crise financeira, a Editora Abril desocupa a metade do prédio e entrega à dona do imóvel, a Previ.

:

Para reduzir custos e compactar instalações, Editora Abril entregou parte do prédio ao dono
O principal motivo para as mudanças teria sido a diminuição de operações na editora desde 2013 – envolvendo desde a transferência de dez publicações para a Editora Caras até o fim da versão impressa da revista Info. Em 2014, a editoria já havia divido parte de suas atividades com o prédio localizado na Marginal Tietê, que pertence à Abril e não é alugado.

Abril parceira do capital especulativo

É notável a profunda relação entre a revista Veja e o capital especulativo nacional e internacional. Já em 1995, a Editora Abril S.A. realizou uma parceria com as Organizações Cisneros da Venezuela, comandada por Gustavo Cisneros, um dos maiores adversários de Hugo Chávez. Por Gustavo Barreto, novembro de 2005

Seja por breve observação ou utilizando o suporte de extensos estudos acadêmicos, é notável a profunda relação entre a revista Veja – principal produto jornalístico da Editora Abril – e o capital especulativo nacional e internacional. Além disso, destaca-se o ódio que Veja nutre pelos movimentos e governos populares, como o MST, no Brasil ou o governo Chávez, da Venezuela. Esta fina sintonia com os preceitos neoliberais, conservadores e até golpistas é, no entanto, mais do que ideológica.

Já em 1995, a Editora Abril S.A. realizou uma parceria com as Organizações Cisneros da Venezuela, comandada por Gustavo Cisneros, e a Multivision do México, objetivando criar um “serviço de televisão com transmissão direta via satélite, para a casa do assinante”. Conforme consta no histórico da própria Abril, esse satélite – o “Galaxy 3R” – foi lançado no dia 14/12/1995. A Abril acrescenta que está “inaugurando uma nova era para a televisão brasileira”. No mesmo ano, constitui a empresa Galaxy Latin América, em parceria com a “Hughes”, companhia americana subsidiária da General Motors. Também em 1995, a Abril entrou em uma sociedade com a Sony e Time Warner para desenvolver a HBO Brasil, a versão nacional do maior canal de entretenimento do mundo. A TVA, empresa de TV por assinatura, é uma das marcas que a Abril detém.

Gustavo Cisneros é dono absoluto de um dos maiores holdings de comunicação da América Latina – a Cisneros Group of Companies, que, além da Venevisión e Univisión, congrega 72 empresas nas áreas de mídia, entretenimento, internet e telecomunicações, instaladas no Canadá, nos Estados Unidos, na América do Sul, na Espanha e em Portugal. Detém, por exemplo, a Univisión Communications, principal canal espanhol nos Estados Unidos, o que inclui tevê aberta e por assinatura. Na Venezuela, Cisneros é um dos principais inimigos de Hugo Chávez, presidente eleito democraticamente e que possui amplo apoio popular por realizar reformas sociais profundas que combatem fortemente a desigualdade daquele país. Foi Cisneros um dos principais apoiadores do golpe contra Chávez em 2002, o famoso golpe midiático, por meio de suas redes de televisão e seu poder financeiro. 

Cisneros é sócio da DirecTV, agora associada e controlada pela concorrente Sky, do multimilionário australiano da mídia Huppert Murdoch. Algumas das empresas de Cisneros são conhecidas dos brasileiros, como a AOL Latin América, a já mencionada DirectTV e a Panamco, engarrafadora da Coca-Cola. Segundo a revista Isto É Dinheiro, Cisneros anunciou em junho de 2004 a criação de um fundo de US$ 200 milhões para investir no Brasil e disse que está conduzindo outros negócios. Em janeiro de 2000, a AOL e a Time Warner passaram por um processo de fusão das duas empresas. Na nova empresa, Cisneros e a Abril são parceiros comerciais. 

Veja é tucana. Oficialmente

Uma pesquisa acionária na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) trouxe resultados interessantes. É possível constatar, por exemplo, que o ex-presidente da Caixa Econômica Federal em parte da gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Emílio Carazzai, é um dos diretores financeiros da Editora Abril. Carazzai é tratado por FHC e por Pedro Malan, ex-ministro da Fazenda, com especial carinho, como demonstram vários discursos da época e até mesmo no momento da saída de Carazzai, por pressão do PFL. Além disso, a gestão de Carazzai à frente da Caixa foi marcada por demissões, flexibilização da jornada de trabalho, congelamento de salários e terceirização dos serviços. Os que mais perderam, de novo, foram os trabalhadores. 

Além disso, como muitas empresas, a Editora Abril possui dívidas, que precisam ser quitadas ou renegocisadas ao final de um ano fiscal. Para isso, as empresas emitem debêntures – títulos de renda fixa que são oferecidos pela empresa endividada a investidores, que por sua vez recebem uma porcentagem fixa (25%, por exemplo) de lucro em relação ao que investiram. 

O que chama a atenção no caso de Veja, principalmente quando se observa a linha editorial neoliberal da revista, são exatamente seus investidores. Para renegociar suas dívidas, a editora Abril cedeu, por exemplo, ações para o Unibanco, em decisão tomada em 14/5/2005, como consta em ata assinada pelo Conselho de Administração da empresa. Cedeu também, conforme a mesma ata, o capital adquirido na venda de espaços publicitários das publicações da empresa para o Bradesco e o Banco do Brasil. 

A Editora Abril possui, ainda, relações com instituições financeiras como o Banco Safra e a norte-americana JP Morgan – a mesma que calcula o chamado “risco-país”, índice que designa o risco que os investidores correm, empregados e protegidos em Nova Iorque, quando investem no Brasil. Em outras palavras, expressa a percepção do investidor estrangeiro sobre a capacidade desse país “honrar” seus compromissos. 

Esta e outras instituições financeiras de peso são os debenturistas – detentores das debêntures – da Editora Abril e de seu principal produto jornalístico. Em suma, responsáveis pela reestruturação da editora que publica a revista com linha editorial fortemente pró-mercado financeiro e anti-movimentos sociais.

13,8% para o Capital Group

No início de julho de 2004, o grupo Abril anunciou a venda de 13,8% de seu capital para o administrador de fundos Capital Group International (www.capgroup.com), por R$ 150 milhões, de acordo com o balanço anual da Veja que consta na CVM. A mudança constitucional aprovada em maio de 2002 que permitiu o ingresso de 30% de capital estrangeiro nas empresas de comunicação permitiu tal transação. Mudança promovida exatamente pela gestão de FHC (1995-2002).

O deputado Fernando Ferro (PT-PE) confirmou que a Editora Abril possui íntima relação com o grupo de Gustavo Cisneros. “Consultamos os procedimentos de aquisição das aquisições da revista Veja e constatamos que hoje cerca de 30% das suas ações são do empresário venezuelano Gustavo Cisneros, que participou do processo de conspiração para derrubar o presidente Chávez, juntamente com Pedro Carmona [que ocupou a presidência por algumas horas, durante o golpe fracassado]”, sustentou. 

De acordo com o jornal Valor Econômico de 10/8/2004, o fundo de investimentos Capital Group já tem outras participações no país. O mesmo Capital Group adquiriu, em 19 de maio do mesmo ano, lote de recibos de ações nos EUA (ADRs) da Tele Centro-Oeste Celular (TCO), com o qual passou a controlar 14,37% das ações preferenciais da companhia. No mesmo mês, o fundo adquiriu ações da TIM Sul, passando a controlar 5% do capital da empresa, com direito a voto na operadora móvel. Em janeiro, havia comprado 135,8 milhões de ordinárias da Embratel Participações, controlando cerca de 6 bilhões de papéis, ou 5,05% dos papéis com direito a voto. Em abril de 2003, o Capital Group adquiriu na bolsa de valores 13,659 bilhões de ações preferenciais da Tele Norte Leste (holding da Telemar), passando a controlar 5,25% dos papéis sem direito a voto. 

Já a Editora Abril S.A. atua na atividade editorial e gráfica, compreendendo a edição, impressão, distribuição e venda de revistas, publicações técnicas, na comercialização de propaganda e publicidade, bem como a participação no capital de outras sociedades. No ramo editorial e gráfico é a maior empresa da América Latina, líder no mercado de revistas. A Abril e suas parceiras são responsáveis por mais de 165 publicações, entre revistas, edições especiais e anuários.

Leia também:

 

PT E O OURO DE HAVANA
:: Quando a expectativa é grande e faltam fatos, inventa-se
Por Alberto Dines

O PT não chega a ser um modelo de coerência, mas a gloriosa Veja, há algum tempo, deixou de ser modelo de bom jornalismo.
Leia

::: Antonio Palocci desmoraliza a Veja
Luiz Weis
Leia

:: Veja deve explicações ao país
Alceu Nader
Leia

:: Veja financia PSDB
Marco Aurélio Weissheimer
Leia

:: Veja e PSDB: unha e carne
Leia

:: O jornalismo manipulador da Veja se volta contra escritores
Ademir Assunção
Leia

:: Veja e o racismo
Por Antonio Sampaio Dória
Leia

:: Um novo agosto com outros fortunatos
Por Frédi Vasconcelos
Leia

:: O silêncio tucano
Marco Aurélio Weissheimer
Leia

Nordeste em alta: região é a campeã na criação de vagas no Brasil.

Segunda a pesquisa, a região gerou um milhão de postos de trabalho, de um total de 1,5 milhão em todo o Brasil, sendo 582 mil empregos na iniciativa privada com carteira assinada.

A verdade é que as políticas públicas de Dilma e Lula no Nordeste mudaram a cara da região nos últimos 12 anos.

O Nordeste é campeão na criação de vagas no mercado de trabalho no período entre junho de 2013 e junho de 2014, de acordo com o resultado daPnad (Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio) Contínua(link is external), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segunda a pesquisa, a região gerou um milhão de postos de trabalho, de um total de 1,5 milhão em todo o Brasil, sendo 582 mil empregos na iniciativa privada com carteira assinada.

A população que trabalha com carteira assinada aumentou 10% na região. A pesquisa mostra ainda que a população ocupada no Brasil cresceu no último trimestre de 90,6 milhões para 92,1 milhões de pessoas. E o Nordeste apresentou diminuição da taxa de desemprego no 2º trimestre, passando de 10% para 8,8%.

As regiões Norte e Nordeste mostram os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria. No 2º trimestre de 2014, a população ocupada era composta por 70,2% de empregados, 4,1% de empregadores, 22,9% de trabalhadores por conta própria e 2,9% de trabalhadores familiares auxiliares.

A verdade é que as políticas públicas de Dilma e Lula no Nordeste mudaram a cara da região nos últimos 12 anos. Prova disso é que, há 10 anos a região cresce mais do que os outros estados do Brasil. É um novo Nordeste, com mais indústrias, com produtividade, desenvolvimento e crescimento social.

UNICEF: Brasil é referência no combate à pobreza infantil após crise mundial.

A crise financeira mundial prejudicou milhões em todo mundo, com certeza. A gente até já mostrou queaqui no Brasil está sendo diferente – seguimos crescendo, gerando emprego e distribuindo renda. Porém, um dos aspectos mais frágeis neste processo de crise tem sido pouco analisado: o impacto desta situação nas vidas das crianças dos países afetados.

A UNICEF apresentou recentemente um relatório onde mostra que 2,6 milhões de crianças e adolescentes entraram no índice abaixo da linha da pobreza(link is external) em 23 países afetados, como Estados Unidos, Grécia, Espanha e Islândia. A Grécia, por exemplo, conta com 40% de suas crianças abaixo desta linha. O Brasil não consta nesta lista, pelo contrário: se tornou referência mundial na redução da mortalidade infantil, da desnutrição e do aumento da escolaridade.

O Brasil também foi destaque ao atingir a taxa de extrema pobreza inferior a 3%(link is external), segundo relatório dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Segundo a ONU, o Programa Bolsa-Família foi o grande destaque deste processo: ele reduziu 20 a 25% a desigualdade no país, e custa apenas 0,3% do PIB brasileiro. A organização também destaca a importância do programa, que tornou-se referência mundial em redução da desigualdade e combate à miséria.

O relatório completo da UNICEF você pode ler aqui.

Veja como o PSDB rifou o Brasil a preço de banana.Os privatizadores.

Aécio, olha o teste da
transposição do S. Francisco.

flyearth_micael_reynaud.gif

flyearth_micael_reynaud.gif

Bomba: como o Ministério Público blindou a corrupção do Aecínico !

SE O GURGEL NÃO ABRIR INQUÉRITO CONTRA O AÉCIO, ESTARÁ PREVARICANDO”E o Procurador Geral da República ainda precisa descrever o destino no Ministério Público Federal daquela denúncia sobre como o Aecínico teria se preparado, com R$ 166 milhões, para as eleições de 2012 e 2014.

 Tijolaço: você contrataria este homem para dirigir o Brasil?

8297f-tabelacorrupc3a7c3a3o

 

 

Lista das empresas privatizadas por Serra e FHC. Eles venderam o Brasil.

Diante das recentes polêmicas envolvendo o Pré-Sal e a Petrobrás nas eleições, selecionamos aqui uma sequência de  notícias a respeito da luta empreendida pelo PSDB-DEM para privatizar a Petrobrás e o petróleo brasileiro desde os anos 1990, durante o governo de Fernando Henrique, mas também após o fim daquele governo, quando esta coligação continuou criticando e atacando sistematicamente a Petrobrás e agora, o Pré-Sal.

BNDES

Um dos principais responsáveis pela rápida saída do Brasil da crise econômica mundial de 2008, o BNDES quase foi privatizado no governo do PSDB.No geral, foram privatizadas, entre 1990 e 1999, 166 empresas, com 546 mil postos de trabalho extintos diretamente. Carta Maior.

 Relação de empresas estatais brasileiras, privatizadas (entregues) pelo do governo neoliberal de FHC e José Serra, junto com governos estaduais da época, principalmente o do ex-governador Geraldo Alckmin.Eles só precisam de mais quatro anos de governo para concluir o serviço que começou com o governo FHC.
  • AES SUL (CEEE Distribuição) – vendida para a empresa americana AES;
  • BANDEIRANTE Energia – vendida para o grupo Português EDP;
  • CELPE – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CEMAR – vendida ao grupo americano Ulem Mannagement Company;
  • CESP TIETE – vendida para a empresa americana DUKE;
  • CETEEP – vendida para a empresa estatal Colombiana ISA;
  • COELBA – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CONGÁS – vendida ao grupo britânico British Gas/Shell;
  • COSERN – vendida ao grupo espanhol Iberdrola;
  • CPFL – vendida para o grupo brasileiro VBC;
  • ELEKTRO – vendida para a empresa americana ENRON;
  • ELETROPAULO – vendida para a empresa americana AES;
  • ESCELSA – vendida ao grupo português GTD Participações, juntamente com o consorcio de Bancos Iven S.A;
  • GERASUL – vendida para empresa Belga Tractebel;
  • LIGHT- vendida ao grupo francês e americano EDF/AES;
  • RGE – vendida para o grupo brasileiro VBC;
  • BAMERINDUS – vendido ao grupo britânico HSBC;
  • BANCO BANESPA – vendido ao grupo espanhol Santander;
  • BANCO MERIDIONAL – vendido para o Banco Bozano;
  • BANCO REAL – vendido ao grupo ABN-AMRO, hoje sob o controle do grupo Santander;
  • BEA (Banco do Amazonas S.A.) – vendido ao Bradesco;
  • BEG (Banco de Goiás) – vendido ao Itaú;
  • CARAIBA – Mineração Caraíba Ltda;
  • CIA. VALE do RIO DOCE;
  • PQU (Petroquímica União S.A);

– Empresas de Telecomunicação do grupo TELEBRAS: EMBRATEL, TELESP, TELEMIG, TELERG, TELEPAR, TELEGOIÁS, TELEMS, TELEMAT, TELEST, TELEBAHIA, TELERGIPE, TELECEARÁ, TELEPARÁ, TELPA, TELPE, TELERN, TELMA, TELERON, TELEAMAPÁ TELAMAZON, TELEPISA, TELEACRE, TELAIMA, TELEBRASÍLIA, TELASA. A maioria vendida a grupos internacionais: espanhol, italiano, mexicano e, algumas a um grupo brasileiro. O que foi exposto ilustra claramente qual é a política econômica a ser adotada, caso José Serra seja presidente. Uma política de venda do patrimônio público, sem nenhum pudor. Se Serra for o próximo presidente poderá bater o martelo para vender o que restou de nossas empresas:

  • Petrobras;
  • BNDES;
  • Banco do Brasil;
  • Caixa Econômica Federal;
  • Furnas;
  • Chesf;
  • Eletronorte;
  • Eletrosul, dentre outras.
globo folha
 

55bb1-fhc-zc389serra-privatizac387c383o images

O que disse FHC para Serra: “É preciso dizer sempre em todo lugar que esse governo não retarda privatização, não é contra NENHUMA PRIVATIZAÇÃO, e vai vender tudo o que der para vender”, mostra também que José Serra garante a privatização da Vale do Rio Doce: “A descoberta dessa mina não altera em nada o processo de privatização. Só o preço, que poderá ser maior.”

A preparação para a privatização da Petrobrás começou no 1o mandato de FHC, quando José Serra era Ministro do Planejamento. O plano de privatização começou com o sucateamento da Petrobrás, seguido de mudanças ma legislação que o governo FHC-Serra fez para viabilizar a venda da empresa brasileira. O objetivo era privatizar todo o setor de energia e petróleo do país.

Como o governo FHC permitiu que as corporações petrolíferas estrangeiras pudesem extrair petróleo do Brasil - "Era uma vez o monopólio da Petrobrás"  - Revista VEJA de 14/06/1995

Como o governo FHC permitiu que as corporações petrolíferas estrangeiras pudesem extrair petróleo do Brasil – “Era uma vez o monopólio da Petrobrás” – Revista VEJA de 14/06/19

http://blogdojoelaraujo.blogspot.com.br/2012/04/lista-das-empresas-privatizadas-por.html

http://geraldoalckminpsdb.blogspot.com.br/2010/09/privatizacoes-em-sp-psdb-de-alckmin-e.html

Conheça também o mensalão Tucano, o mais tenebroso mensalão.O terror da mídia omissa e sem vergonha.

Mais

Bomba.HADDAD PEDE AO STJ JULGAMENTO DO 'MENSALÃO' TUCANO.

 https://epocaestadobrasil.wordpress.com/2014/08/12/rede-globo-e-denunciada-ao-mp-por-parcialidade-partidarismo-e-desequilibrio-editorial-eleicoes-2014/

PROVA DE QUE AÉCIO MENTIA SAIU DO AR .http://www.tce.mg.gov.br/

Debate na band vídeos exclusivos

Quando os tucanos Aécio Neves e Antônio Anastasia governavam Minas Gerais, eles não investiam nem mesmo o mínimo obrigatório em saúde e educação, estabelecido pela Constituição Federal.

Decisão do STF: prova de que Aécio contratou ilegalmente 98 mil servidores em MG.

Aécio não tem autoridade moral
para falar de corrupção.http://www.conversaafiada.com.br/

Grupo com quase 100 mil que se dizem médicos ou estudantes de medicina defende ‘castrações químicas’ a eleitores do PT.

Nova Ordem Mundial.Grupos criminosos já pregam um “holocausto contra nordestinos”. Eleições 2014.

Denúncias

Médicos propõem holocausto e castração química de eleitores do PT.

A propaganda do governo de Minas Gerais é uma ofensa à nossa dignidade.

Beatriz Cerqueira: Aécio, não ofenda as professoras mineiras

Beatriz Cerqueira é Coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE MG) e presidenta da CUT Minas

Aécio, não ofenda as professoras mineiras

A propaganda do governo de Minas Gerais é uma ofensa à nossa dignidade

Todo mês, com o contracheque nas mãos, a professora da rede estadual de Minas Gerais sabe que não recebe o Piso Salarial Profissional Nacional do magistério da Lei 11.738/08. Mas o governo mineiro e o ex-governador insistem em distorcer a realidade.

Quando foi governador, Aécio estabeleceu o “Piso Remuneratório”, coisa que só existiu em Minas Gerais. Ele estabeleceu um teto de remuneração no valor de R$850,00. Se o professor, somando tudo o que estava no seu contracheque, não chegasse a este valor, havia uma complementação até o valor do teto. Não era Piso Salarial, mas teto, limite de salário! E este valor era para nível médio e para quem tinha licenciatura plena ou mestrado.

Durante o seu governo, os profissionais da educação amargaram quatro anos sem reajuste salarial. Em 2005, o vencimento básico da professora de nível médio era R$305,00. Em 2010, quando ele deixou o governo estadual, a mesma professora recebia o vencimento básico de R$369,00. No mesmo período, o salário mínimo foi de R$300,00 para R$510,00.

A lei federal 11.738/08 estabeleceu que o Piso Salarial é o vencimento básico e não toda a remuneração do professor. A partir do vencimento básico se calculam as demais vantagens e direitos. Seu sucessor, Antônio Anastasia, transformou este teto em subsídio, desconsiderando o que foi estabelecido na Lei e a decisão do Supremo Tribunal Federal na Ação Direta de Inconstitucionalidade n°. 4.167. Ao fazer isso, o governo mineiro acabou com direitos conquistados pelos educadores ao longo de mais de 30 anos. Isso aconteceu através da Lei estadual 19.837/11, que foi aprovada após a decisão do Supremo Tribunal Federal: Piso Salarial não poderia ser toda a remuneração, mas apenas o vencimento básico inicial de carreira.

A confusão feita pelo candidato tem o objetivo de criar a falsa ideia de que o Governo de Minas Gerais paga o Piso Salarial. O que é remuneração ele fala que é Piso Salarial.  Para tentar consolidar esta falsa ideia, o governo mineiro compara situações desiguais:

- compara o valor do Piso (valor estabelecido nacionalmente), que é vencimento básico com o subsídio (forma que o governo mineiro paga os professores desde janeiro de 2012), que é toda a remuneração do professor;

- compara o valor do Piso Salarial, que é para professor com nível médio de escolaridade com o subsídio pago para licenciatura plena.

E na semana que antecede o 2º turno das eleições, o governo de Minas, inicia uma nova campanha publicitária informando à população que paga R$60,63 por hora-aula ao professor mineiro. O governo de Minas mentiu sobre o salário dos professores mineiros!!!

Considerando que o valor do subsídio de uma professora de nível médio de escolaridade é R$1,237,00 e são 4,5 semanas de aula (é preciso considerar todo o mês trabalho, incluindo o descanso remunerado), a conta é muito simples: 24 horas por semana x 4,5 = 108 horas-aulas de trabalho no mês. Cada hora de trabalho é de R$11,45. Se considerarmos o subsídio do professor com formação em licenciatura plena, o valor da hora-aula é de R$ 13,47. O professor com mestrado recebe por hora-aula R$ 17,97.

A forma como o governo de Minas utiliza recursos públicos para tentar confundir a população sobre o salário do professor é uma prática assustadora. A propaganda do governo de Minas Gerais é uma ofensa à nossa dignidade.

Beatriz Cerqueira é Coordenadora-geral do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE MG) e presidenta da CUT Minas

Imagem

Mídia é acusada de ser cabo eleitoral de Aécio Neves.

TEORIA CONSPIRATÓRIA: FALSO ATENTADO IMPEDIRIA VITÓRIA DE DILMA NO 1º TURNO.EDUARDO GUIMARÃES

Eduardo Guimarães

Dificilmente a mídia partidarizada (Globo, Folha de São Paulo, Veja e Estadão) deixará de lançar uma “bomba” para impedir que Dilma se reeleja daqui a seis míseros dias.Pense comigo, leitor: é óbvio que a simulação de um atentado violento contra Marina ou Aécio seria um “fato gerador” de comoção. E a culpa recairia sobre Dilma, claro. Ou sobre algum “aloprado” que simbolizaria como é “bandida” essa “gente do PT”.

Após o estrondo político causado pela pesquisa Datafolha da última sexta-feira, na qual Dilma disparou no primeiro e no segundo turnos, Marina caiu e Aécio permaneceu estagnado abaixo de 20 pontos percentuais, durante o fim de semana começaram a vazar trackings das campanhas dos três principais candidatos a presidente.

Como o bem informado leitor já deve saber, no primeiro dia útil desta semana pesquisa CNT/MDA mostrou forte vantagem de Dilma sobre Marina e Aécio no primeiro e no segundo turnos. No primeiro, a presidente subiu a 40,4%, Marina caiu para 25,2% e Aécio cresceu apenas dentro da margem de erro (de 17,6% para 19,8%).

E o mais importante: no segundo turno, a vantagem de Dilma sobre Marina já soma 9 pontos percentuais (47,7% a 38,7%).

Nesta segunda-feira (29), por volta das onze horas, o Ibovespa registrava queda de mais de 4%, o dólar disparou e as ações da Petrobrás caíram cerca de 9%. A pesquisa CNT/MDA explica parte da volatilidade do mercado, mas não toda.

Mais uma vez, boatos sobre pesquisas ainda mais recentes dando conta de vitória de Dilma no primeiro turno espalharam-se por sites, blogs e redes sociais, gerando esses solavancos no mercado financeiro.

Paralelamente aos fenômenos supracitados, a boataria vem se somando a teorias conspiratórias das mais diversas, com o costumeiro protagonismo da CIA ou de Cuba em versões sobre golpes de última hora que estariam sendo preparados por candidatos contra candidatos – Marina contra Aécio, Dilma contra Marina, Aécio contra Dilma etc. – para impedir ou garantir que a eleição vá para 2º turno.

Algumas dessas teorias, aliás, são muito bem elaboradas. Contêm fotos, reproduções de documentos, nomes e mais nomes estrangeiros (de pessoas e organizações) envolvidos em planos para interferir no resultado da eleição presidencial brasileira.

Em uma eleição tão polarizada e repleta de ocorrências dramáticas, como no caso da morte surpreendente de Eduardo Campos em um acidente aéreo cujas explicações ainda não convencem a muitos, teorias conspiratórias não soam tão absurdas como soariam em pleitos anteriores, nos quais os golpes se restringiram às conhecidas denúncias de corrupção de última hora contra o PT.

Nesse mar de teorias conspiratórias, uma certeza: dificilmente a mídia partidarizada (Globo, Folha de São Paulo, Veja e Estadão) deixará de lançar uma “bomba” para impedir que Dilma se reeleja daqui a seis míseros dias.

A Veja bem que tentou, no último fim de semana; acusou Dilma de envolvimento em corrupção. Não é pouco. Ainda mais sem uma mísera prova, o que reforça toda sorte de teoria conspiratória. Se a revista foi capaz de tal ousadia, o que mais pode chegar a fazer?

Ao mesmo tempo, ao longo dos últimos dez dias notícias importantíssimas – e acima de suspeitas de manipulação – contribuíram para que a maioria do eleitorado tenha se inclinado por Dilma nas pesquisas de opinião.

A ONU, por exemplo, elogiou fartamente o Brasil por seus programas de combate à fome e de redução da pobreza. E, além de o país ter saído do mapa da fome no mundo, notícia sobre suas políticas sociais favoreceu a presidente: segundo estudo do Ministério do Desenvolvimento Social, houve aumento da altura média das crianças atendidas pelo Bolsa Família. Entre 2008 e 2012, as meninas de 5 anos ficaram 0,7 centímetro mais altas e os meninos, 0,8 centímetro.

Se no social as notícias foram boas para o governo, na economia tampouco foram más. Apesar da cantilena sobre baixo crescimento e inflação, esta vem caindo. E o que realmente importa ao povo em economia não é crescimento, mas o binômio emprego-salário.

Segundo o IBGE, ambos vão muito bem, obrigado. Em agosto, o desemprego de cerca de 5% foi o menor da série histórica de 12 anos mensurada mês a mês pela instituição. Além disso, a renda média do trabalhador brasileiro do setor privado subiu 2,5% acima da inflação. E a do setor público, 7%.

Inflação controlada, salários subindo, desemprego e pobreza caindo, tudo isso vem fazendo o eleitor pensar se tem mesmo tanto sentido a cantilena midiática sobre baixo crescimento. Apesar de a mídia dizer que desemprego e inflação vão aumentar e os salários vão cair, o que se vê é o contrário.

Ora, é aí, então, que vemos a oposição midiático-banqueira numa sinuca de bico. Denúncias de corrupção vêm falhando miseravelmente contra o petista da vez, eleição presidencial após eleição presidencial; o terrorismo econômico, iniciado exageradamente antes das eleições, perdeu a força.

E agora?

É nesse momento que as teorias conspiratórias vêm à mente. O conclave político-midiático-financeiro vai aceitar que Dilma vença a eleição em primeiro turno após todo o trabalho que teve? Sério que alguém acredita nisso?

Dentre as muitas teorias conspiratórias que vêm pingando tanto “in box” nas redes sociais quanto na caixa de correio eletrônico ou nos telefones do blogueiro, uma lhe é particularmente cara: se denúncias de “corrupção petista” e terrorismo econômico não estão funcionando, e se a vitimização de Marina não deu frutos, que tal algo mais parecido com a queda do avião de Eduardo Campos, a fim de gerar novo clima de comoção?

Uau! Não é pouco. Seria arriscado e, talvez, inútil. Mas…

Pense comigo, leitor: é óbvio que a simulação de um atentado violento contra Marina ou Aécio seria um “fato gerador” de comoção. E a culpa recairia sobre Dilma, claro. Ou sobre algum “aloprado” que simbolizaria como é “bandida” essa “gente do PT”.

Mas tal construção padece de um problema incontornável: por que Dilma ou algum aliado “aloprado” cometeria uma sandice dessas se a presidente disparou nas pesquisas tanto em primeiro quanto em segundo turnos, com possibilidade de vencer no primeiro?

Ora, ainda se fosse no segundo turno poderiam tentar vender que a violência contra um adversário decorreria de uma última cartada do PT por “desespero” diante do tudo ou nada. Mas não é o que está acontecendo. Se Dilma não vencer no primeiro turno, tudo indica que vencerá no segundo.

Contudo, a lógica não tem valido muito, ultimamente. Vejam, por exemplo, que as últimas pesquisas de opinião têm mostrado que, apesar de o desemprego continuar caindo de forma pronunciada no país, quase metade dos brasileiros acredita que irá aumentar. Qual é a lógica desse contingente tão expressivo de pessoas?

Não há lógica. Essas pessoas se guiam pela mentirada que os adversários assumidos e enrustidos de Dilma, sobretudo na mídia, têm espalhado. Desse modo, confiar em sensatez total do eleitorado pode ser uma aposta furada. Nesse aspecto, um “fato gerador” de comoção talvez seja a última esperança de essa gente tirar o PT do poder.

Teoria conspiratória? Claro que sim. Eu acho…

Verdade gospel.Pr. Silas Malafaia ignora a maçonaria na política e ensina como votar para não jogar seu voto no lixo.

Malafaia   não exerce liderança nem na Assembleia de Deus. Tanto assim que não faz parte da Convenção da igreja. Ele não representa os evangélicos.Malafaia ignora  totalmente os malefícios da maçonaria na politica  e apoia até candidato abortista .

Para vocês, Soberanos Grandes Inspetores Gerais, nós dizemos isto, que vocês podem repetir para os irmãos dos graus 32, 31 e 30:

A Religião Maçônica deve ser, por todos nós iniciados dos altos níveis, mantida na pureza da Doutrina Luciferiana”; “Sim, Lúcifer é Deus…”; “E a verdadeira e pura religião filosófica é a crença em Lúcifer, o igual de Adonai; Mas Lúcifer, Deus da luz e Deus do bem, está lutando pela humanidade contra Adonai, o Deus da escuridão e do mal.” (Instructions to the 23 Supreme Councils of the World, Albert Pike, Grand Commander, Sovereign Pontiff of Universal Freemasonry, July 14, 1889)

Lindberg Farias votou favoravelmente ao aborto, quando era deputado federal

Serra  e  Lindenberg candidato do Malafaia .

Lindbergh Farias  e o aborto

O novo presidente do PT no Rio de Janeiro, Washington Quaquá, mal foi eleito para comandar a legenda no estado e já mostrou que não está nada, nada satisfeito com a aproximação que o senador Lindbergh Farias (PT) vem fazendo ao pastor Silas Malafaia.

Quaquá disse, em entrevista à Veja OnLine, que o pastor Silas Malafaia “não pode ser o símbolo do diálogo do PT com os evangélicos”.

“Pegou mal no PT a foto do Lindbergh com o (pastor Silas) Malafaia. Não há problema em ter apoio dele, isso não se nega. Mas não era preciso uma foto dos dois juntos

Quando era deputado federal,  Lindberg Farias  votou contra a Proposta de Emenda Constitucional 25/95 de autoria do deputado católico Severino Cavalcante (PE) que tinha por objetivo proibir o aborto em qualquer situação, como também evitar a apresentação de Projeto de Lei para legalizar o aborto no Brasil.

Lindberg Farias e o PLC 122 (Lei

Lindberg Farias, candidato ao Senado,  foi votou contra a legislação que tinha por objetivo proibir o aborto em qualquer situação, como também evitar a apresentação de Projeto de Lei para legalizar o aborto no Brasil.

Lindberg votou votou pela rejeição da PEC 25/95; ou seja, ele foi contra a defesa da vida “desde a concepção”. Mostrando nitidamente sua disposição pró-aborto.

Confira abaixo:

1) PEC 25/95 – Dá nova redação ao “caput” do art. 5º da Constituição Federal
Obs.: Essa Proposta de Emenda Constitucional (PEC 25/95), de autoria do Deputado Severino Cavalcanti (PPB-PE), tinha por objetivo proibir o aborto em qualquer situação, como também evitar a apresentação de Projeto de Lei para legalizar o aborto no Brasil.

a) Comissão Especial
Quem votou NÃO votou pela aceitação da PEC 25/95; sendo portanto contra a defesa da vida “desde a concepção”.

b) Votação da PEC 25/95 no Plenário da Câmara dos Deputados

Quando eram deputados federais foram favoráveis ao aborto:

-LINDBERG FARIAS

-FERNANDO GABEIRA

-FANCISCO SILVA – ABSTENÇÃO  (dono da Rádio Melodia não quis se comprometer)

-MIRO TEIXEIRA

-MOREIRA FRANCO

-FRANCISCO DORNELLES – (Faltou a Sessão). Lembrando que Francisco Dornelles candidatou-se ao senado em 2006, sendo apoiado, por líderes católicos e evangélicos, como um contra-ponto à candidatura de Jandira Feghali, que é pró-aborto. Hoje sabe-se que Dornelles defende princípios anti-cristãos, por esta razão faz parte da Frente Parlamentar de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis.

Fonte: Associação Pró-vida

Veja,Folha, Estadão,Globo,Uol, não tem moral para falar  do mensalão.Veja o que eles querem esconder.

16017-acorda_pedrosimon_1

9d1a1-globooquepoderiaserfeito

deusa-da-justica